Sub-categorias

Notícia

Advogada que falsificou documentos condenada

O Tribunal de Mértola condenou nesta quarta-feira a três anos de prisão efectiva, por cinco crimes de falsificação de documento, uma advogada que falsificou quatro certidões e um alvará de licença, que deviam ter sido emitidos pelo município local.
26.10.11
  • partilhe
  • 0
  • +
Advogada que falsificou documentos condenada
Colectivo considerou provada a maioria dos factos imputados à advogada Cecília Palma, de 45 anos, e condenou-a a uma pena única de três anos de prisão, que poderia ser suspensa, mas os juízes decidiram torná-la efectiva Foto Hugo Rainho

O colectivo considerou provada a maioria dos factos imputados à advogada Cecília Palma, de 45 anos, e condenou-a a uma pena única de três anos de prisão, que poderia ser suspensa, mas os juízes decidiram torná-la efectiva.        

Segundo o juiz presidente, o colectivo decidiu aplicar a pena de prisão efectiva porque a arguida não assumiu a autoria dos factos, não mostrou arrependimento e não demonstrou interesse no processo, já que faltou à primeira sessão do julgamento, alegando motivos de doença, e na segunda sessão escusou-se a falar.         

O colectivo considerou "graves" os cinco crimes de falsificação de documento, já que foram cometidos por Cecília Palma no exercício das suas funções como advogada e em representação de outras pessoas, suas clientes.         

Ao produzir, alterar e facultar os documentos falsificados, "fazendo crer" que eram oficiais, a arguida "quis por em causa a fé pública" que os documentos, como meio de certificação oficial do Estado, devem "merecer", refere o acórdão.         

Segundo a matéria dada como provada pelo colectivo, a arguida, em 2008, propôs-se regularizar a situação de casas na aldeia de Mina de São Domingos (Mértola), realizando, por conta e em representação dos outorgantes, escrituras de justificação notarial por usucapião no cartório notarial de Serpa.         

Para a realização das escrituras, era pedido aos outorgantes um documento, emitido pela Câmara de Mértola, a comprovar que as casas tinham sido construídas antes de 1951 e, por isso, estavam isentas do alvará de licença de utilização.        

Entre Maio e Dezembro de 2008, no cartório notarial de Serpa, celebraram-se escrituras de quatro casas na Mina de São Domingos, cujos outorgantes eram patrocinados pela arguida, que estava incumbida de requerer toda a documentação necessária para as escrituras.    
     
Nas quatro escrituras, a arguida entregou três certidões e uma cópia de uma certidão supostamente emitidas pela Câmara de Mértola e comprovativas de que as casas tinham sido construídas antes de 7 de Agosto de 1951.         

O município nunca emitiu nenhuma das certidões apresentadas pela arguida nas escrituras e apenas emitiu, a 19 de Maio de 2008 e a requerimento da arguida, uma certidão, mas relativa a uma casa na freguesia de São João dos Caldeireiros.   
      
Na posse deste documento, a arguida alterou-o, colocando os dados do prédio da primeira escritura e entregou-o para a realização da escritura a 29 de Maio de 2008.  
       
O mesmo fez com as certidões falsas que entregou nas outras três escrituras, que se realizaram em Junho, Agosto e Dezembro de 2008.         

A 22 de Agosto de 2008, no cartório de Serpa, celebrou-se outra escritura de justificação notarial de uma casa na Mina de São Domingos em que a arguida exibiu uma fotocópia de um alvará de licença supostamente emitido pela Câmara de Mértola.         

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Cm ao Minuto

pub