Arguidos arriscam penas efetivas de prisão por tragédia de Pedrógão Grande

Cada suspeito cometeu 64 crimes de homicídio na forma negligente e mais de uma centena de crimes de ofensas corporais.
Por Tânia Laranjo|12.06.18
O Ministério Público constituiu mais três arguidos devido aos fogos de Pedrógão Grande, ocorridos no ano passado, por crimes que preveem prisões efetivas: Margarida Gonçalves, da Proteção Civil; José Graça, vice-presidente da Câmara de Pedrógão; e António Castanheira, encarregado geral da mesma autarquia.

Juntam-se aos sete arguidos já constituídos: Mário Cerol, da Proteção Civil; Augusto Arnaut, comandante dos bombeiros de Pedrógão; Sérgio Gomes, comandante do CDOS; dois funcionários da concessionária de autoestradas Ascendi e dois de empresas responsáveis pela limpeza das bermas.

O CM sabe que o DIAP de Leiria defende que cada arguido cometeu 64 crimes de homicídio na forma negligente e mais de uma centena de crimes de ofensas corporais.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!