Sub-categorias

Notícia

Cascais: Violência no bairro da Torre leva a suspensão de carreira

A transportadora rodoviária Scotturb, que opera no concelho de Cascais, suspendeu a carreira 404 para o bairro da Torre depois de vários actos de vandalismo contra autocarros, uma decisão contestada pelos moradores, lesados pela falta de transporte público.
31.05.12
  • partilhe
  • 0
  • +
Cascais: Violência no bairro da Torre leva a suspensão de carreira
No ano passado, 30 autocarros foram apedrejados no Bairro da Torre Foto Manuel Moreira / CM

Recorrentes actos criminosos de apedrejamento a autocarros estão na origem da decisão da Scotturb de suspender temporariamente a carreira 404 no bairro da Torre, numa "preocupação óbvia de garantir a segurança dos nossos clientes e motoristas", refere a empresa privada, à qual o Governo concessionou os transportes urbanos de Cascais, Sintra e Oeiras.  

"Nos passados dias 30 de Março e 2 de Abril, e numa perspectiva de recorrência, os nossos autocarros foram atacados criminalmente com pedras que passaram a poucos centímetros das cabeças e faces dos passageiros que estavam sentados próximos das janelas", contou fonte da Scotturb numa nota escrita enviada à agência Lusa. 

A mesma fonte sublinhou ainda que, já no ano passado, 30 autocarros tinham sido apedrejados, obrigando a cancelar a circulação no bairro após as 20h00. 

"A suspensão da circulação na rua da Torre e rua das Caravelas permite afastar os meios circulantes da zona que consideramos ser a mais problemática, mantendo, no entanto, uma proximidade relativa de forma a minimizar o impacto desta decisão junto dos clientes residentes neste bairro e que também são vítimas deste vandalismo gratuito", lê-se.

Contudo, os moradores contestam esta decisão e reclamam uma alternativa de transporte público para o centro do bairro. 

"Por um grupo de dez, pagam duas mil pessoas [número de moradores do bairro]. Há aqui muitos idosos e mulheres com crianças de colo que têm de andar dois quilómetros para ir apanhar o autocarro. Não pode ser", afirmou à Lusa a presidente da associação de moradores, Maria José. 

A representante dos moradores contou ainda que está a decorrer um abaixo-assinado, que já reúne mais de 900 assinaturas, a exigir a reposição do trajecto no interior do bairro. 

Augusto Ferreira, que todos os dias vai da Damaia (concelho da Amadora) para o bairro da Torre, nota "muita diferença" com a falta do autocarro. "O autocarro parava mesmo aqui à porta do meu serviço, agora tenho de vir a pé ainda um bom bocado", disse. 

Apesar de não andar de transportes públicos, Isabel Duarte compreende a indignação dos utentes. "Vejo as pessoas carregadas de sacos das compras e já com uma certa idade e, para elas, deve ser um grande transtorno agora terem de andar mais. Além disso, estão sujeitas a mais insegurança", frisou. 

Contactado pela Lusa, o presidente da Junta de Freguesia de Cascais, Pedro Morais Soares, mostrou-se solidário com os moradores e disse já ter enviado uma carta ao secretário de Estado dos Transportes e ao Instituto de Mobilidade e Transportes Terrestres para apurar a "legalidade da decisão". 

"Qualquer acto criminoso é condenável, mas sei que a PSP até se disponibilizou para fazer escolta aos autocarros e reforçar a segurança e ainda assim a Scotturb não cede", afirmou Pedro Morais Soares. 

Recorrentes actos criminosos de apedrejamento a autocarros estão na origem da decisão da Scotturb de suspender temporariamente a carreira 404 no bairro da Torre, numa "preocupação óbvia de garantir a segurança dos nossos clientes e motoristas", refere a empresa privada, à qual o Governo concessionou os transportes urbanos de Cascais, Sintra e Oeiras.  

"Nos passados dias 30 de Março e 2 de Abril, e numa perspectiva de recorrência, os nossos autocarros foram atacados criminalmente com pedras que passaram a poucos centímetros das cabeças e faces dos passageiros que estavam sentados próximos das janelas", contou fonte da Scotturb numa nota escrita enviada à agência Lusa. 

A mesma fonte sublinhou ainda que, já no ano passado, 30 autocarros tinham sido apedrejados, obrigando a cancelar a circulação no bairro após as 20h00. 

"A suspensão da circulação na rua da Torre e rua das Caravelas permite afastar os meios circulantes da zona que consideramos ser a mais problemática, mantendo, no entanto, uma proximidade relativa de forma a minimizar o impacto desta decisão junto dos clientes residentes neste bairro e que também são vítimas deste vandalismo gratuito", lê-se. 

Contudo, os moradores contestam esta decisão e reclamam uma alternativa de transporte público para o centro do bairro. 

"Por um grupo de dez, pagam duas mil pessoas [número de moradores do bairro]. Há aqui muitos idosos e mulheres com crianças de colo que têm de andar dois quilómetros para ir apanhar o autocarro. Não pode ser", afirmou à Lusa a presidente da associação de moradores, Maria José. 

A representante dos moradores contou ainda que está a decorrer um abaixo-assinado, que já reúne mais de 900 assinaturas, a exigir a reposição do trajecto no interior do bairro. 

Augusto Ferreira, que todos os dias vai da Damaia (concelho da Amadora) para o bairro da Torre, nota "muita diferença" com a falta do autocarro. "O autocarro parava mesmo aqui à porta do meu serviço, agora tenho de vir a pé ainda um bom bocado", disse. 

Apesar de não andar de transportes públicos, Isabel Duarte compreende a indignação dos utentes. "Vejo as pessoas carregadas de sacos das compras e já com uma certa idade e, para elas, deve ser um grande transtorno agora terem de andar mais. Além disso, estão sujeitas a mais insegurança", frisou. 

Contactado pela Lusa, o presidente da Junta de Freguesia de Cascais, Pedro Morais Soares, mostrou-se solidário com os moradores e disse já ter enviado uma carta ao secretário de Estado dos Transportes e ao Instituto de Mobilidade e Transportes Terrestres para apurar a "legalidade da decisão". 

"Qualquer acto criminoso é condenável, mas sei que a PSP até se disponibilizou para fazer escolta aos autocarros e reforçar a segurança e ainda assim a Scotturb não cede", afirmou Pedro Morais Soares.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Cm ao Minuto

Pedro Santana Lopes

Ousar mudar

Temos de reconsolidar a recuperação económica, não é tempo de aventuras.

Eduardo Cintra Torres

Improviso preparado e pré-gravado

Improviso preparado e pré-gravado

Na SIC até aplaudiram o êxito da estreia 'D'Improviso', que venceu 'Masterchef' e 'The Voice'. Mas quanto tempo podem improvisos interessar?

Leonardo Ralha

Como se diz não à Jamaica

A Jamaica só não terá lugar em Berlim porque os liberais recusaram abandonar os seus princípios para satisfazerem exigências dos Verdes.

Padre António Rego

Falar de Deus

Deus não permite que estejamos satisfeitos com a nossa mediocridade.

pub