Consulta antes das férias evita problemas

Médicos recomendam a marcação da consulta com antecedência de quatro a seis semanas por causa das vacinas.
Por Francisca Genésio|08.07.18
  • partilhe
  • 0
  • +
As férias são, para muitos portugueses, a altura do ano mais esperada. No entanto, se o descanso for no estrangeiro, aquilo que pode ser uma pausa de sonho, num sítio paradisíaco, rapidamente se pode transformar num pesadelo. Basta contrair hepatite A ou até febre amarela, uma doença muito comum em destinos procurados por turistas como o Brasil, Caraíbas ou África (ver infografia).
Zonas com doenças endémicas

A consulta do viajante, disponível em vários centros de saúde e hospitais em todo o País, serve exatamente para "aconselhar e preparar a pessoa de forma a que esta esteja capaz de adotar comportamentos que evitem a ocorrência de doenças e promovam a sua saúde", esclarece ao Correio da Manhã a especialista em saúde pública, Gabriela Saldanha.

Nestas consultas, o médico faz uma avaliação personalizada. "Perguntamos o País e a região para onde vai viajar, o tempo de estadia, o motivo da viagem, que é um pormenor muito importante, uma vez que ir de mochila às costas ou ir para um hotel de luxo não é a mesma coisa. Também a idade e o histórico clínico do viajante são muito importantes", explica Gabriela Saldanha.

Depois, consoante as respostas, o viajante poderá ter de levar vacinas, a forma mais eficaz de prevenção contra doenças endémicas, ou ser aconselhado a isso, pelo menos. A consulta deve ser marcada com antecedência de "quatro a seis semanas, porque os esquemas vacinais têm de ser feitos de forma a garantirmos a eficácia da vacina", recomenda a médica. Uma das doenças mais comuns nas viagens é a "diarreia do viajante", que surge, sobretudo, devido à mudança de hábitos alimentares e clima.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!