Estado toma conta do controlo do SIRESP

Entrada no capital do sistema de comunicações envolve verba de 2,6 milhões de euros. Parvalorem fica com 42,55% do capital.
Por António Sérgio Azenha|20.07.18
O Estado vai investir quase 2,6 milhões de euros para controlar o SIRESP, sistema de comunicações utilizado por bombeiros e forças de segurança que tem registado falhas nos incêndios. A operação será concretizada em duas semanas através da Parvalorem, empresa pública que herdou os ativos tóxicos do BPN.

Na quarta-feira, os acionistas do SIRESP aprovaram em assembleia geral a transação que permitirá ao Estado ficar com 42,55% do capital do SIRESP. Os acionistas do SIRESP têm 15 dias para exercer o direito de preferência na compra das posições da Galilei (ex-Sociedade Lusa de Negócios - SLN, dona do BPN) e da Datacomp, respetivamente de 33% e 9,55%. PT Ventures e Motorola, segundo e terceiro maiores acionistas, podem exercer o direito de preferência, mas, sabe o CM, isso não deverá acontecer.

Findo o prazo, a Parvalorem avançará com a operação de compra das posições da Galilei e da Datacomp. Sendo o maior devedor da Parvalorem, devido à dívida de 1,2 mil milhões de euros da antiga SLN ao BPN, a Galilei passará a posição à Parvalorem através da redução em 1,8 milhões da dívida a esta. A posição da Datacomp será adquirida por 760 mil euros. O SIRESP, que funciona em regime de Parceria Público Privada (PPP), vai custar ao Estado mais de 567 milhões de euros entre 2007 e 2021 (ver gráfico). Até 2021, o Estado terá de pagar ainda 109 milhões de euros.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!