Governo de São Tomé diz ter impedido “acção terrorista” contra presidente e PM

Revelado plano digno de filme de ação, com poderoso armamento e uniformes falsos. Três espanhóis detidos.
08.08.18
  • partilhe
  • 1
  • +

O governo são-tomense garantiu, esta terça-feira, que impediu uma "acção terrorista" que visava o sequestro do Presidente da República, Evaristo Carvalho, do presidente da Assembleia Nacional e a eliminação física do primeiro-ministro e chefe do Governo, Patrice Trovoada. A tentativa de ataque aconteceu na sexta-feira, dis 3 de agosto.

"Nesta operação foram detidos por enquanto três indivíduos de nacionalidade espanhola e dois cidadãos nacionais", indica o governo, num comunicado do Conselho de Ministros.

Segundo o executivo, "além destas detenções, foram apreendidos na posse dos três cidadãos espanhóis que actuavam no país como mercenários, material bélico, facas de mato, granadas, binóculos e óculos de visão nocturna, uniformes estrangeiros com distintivos nacionais, entre outros".

No comunicado, o executivo são-tomense refere que "face à gravidade da situação e dos actos perpetrados até então pelos indivíduos envolvidos, o governo accionou imediatamente os mecanismos internacionais de entreajuda em casos semelhantes com países amigos e a Interpol que responderam prontamente na assistência à Procuradoria-Geral da República e à Polícia Judiciária".

No comunicado o Governo "assegura que tem o controlo total do país e garante a segurança individual e colectiva de todos os cidadãos e seus bens, bem como assegura a total liberdade de circulação sobre todo o território do país".

Os cinco detidos deverão ser ouvidos esta quarta-feira pelo juiz de instrução criminal. Na terça-feira, os detidos foram levados a tribunal, onde ficaram durante cerca de cinco horas sem serem ouvidos pelo juiz. Fonte judicial disse à Lusa que "alguns juízes de instrução criminal se manifestaram impedidos, recusando-se desta forma a pegar neste caso".

Esta é a segunda tentativa de subversão da ordem constitucional em menos de dois meses em São Tomé e Príncipe.

Em 21 Junho o governo anunciou que tinha detido o deputado do MLSTP-PSD Gaudêncio Costa, ex-ministro da Agricultura, e Ajax Managem, um sargento da Forças Armadas, por "tentativa de subversão da ordem constitucional".

Os dois suspeitos foram postos em liberdade sob termo de identidade e residência pelo juiz de instrução criminal Francisco Silva, que alegou falta de provas para manter os dois acusados em prisão preventiva.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!