Sub-categorias

Notícia

Maddie: Gonçalo Amaral considera "reforço da democracia"

O ex-inspector da Polícia Judiciária (PJ) Gonçalo Amaral considerou esta terça-feira que a decisão do Tribunal da Relação em anular a proibição de venda do livro ‘Maddie - A Verdade da Mentira’ significa "o reforço da democracia portuguesa".
19.10.10
  • partilhe
  • 0
  • +
Maddie: Gonçalo Amaral considera "reforço da democracia"
“O livro é um exercício de cidadania e de liberdade de expressão", afirma Gonçalo Amaral Foto Natália Ferraz

“O livro é um exercício de cidadania e de liberdade de expressão. Com  esta decisão da Relação, foi a democracia portuguesa que ganhou, pois a  proibição de venda do livro era inconstitucional", disse Gonçalo Amaral  à agência Lusa, acrescentando esperar a anulação por parte dos juízes da Relação da decisão do Tribunal Cível de Lisboa, após providência cautelar interposta pelos pais de Madeleine McCann.  

O ex-inspetor da PJ classificou ainda de "muito importante" a decisão  da Relação para os dois processos interpostos pelos pais da menina inglesa desaparecida em 2007, no Algarve, ainda sem data marcada para início do julgamento.  

No processo cível, Kate e Gerry McCann reclamam 1,2 milhões de euros por difamação, enquanto no outro caso Gonçalo Amaral é acusado de violação do Segredo de Justiça.  

A decisão de anular a proibição de venda do livro ‘Maddie - A Verdade  da Mentira’ e o vídeo com o mesmo título, baseado num documentário exibido  na TVI, foi esta terça-feira comunicada à agência Lusa por fonte judicial.  

Com a decisão de anular a proibição de venda do livro ‘Maddie - A Verdade  da Mentira’ e o vídeo com o mesmo título, estes podem voltar a ser comercializados e  Gonçalo Amaral, que defende no livro a tese de envolvimento de Kate e Gerry  McCann no desaparecimento da filha em Maio de 2007, num apartamento turístico  do Algarve, pode voltar a falar publicamente no caso.  

A proibição fora decretada provisoriamente a 09 de Setembro de 2009  e, na acção principal, a família McCann reclamava a protecção dos direitos,  liberdades e garantias.

Madeleine McCann desapareceu em 03 de Maio de 2007, num apartamento  de um aldeamento turístico da Praia da Luz, onde se encontrava de férias com os pais e os dois irmãos.  

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
1 Comentário
  • De Carlos da Terra13.11.13
    Decisão acertada porque o Gonçalo Amaral estava apenas fazendo o seu trabalho de policial e o livro é uma consequência do seu trabalho. É absurdo o processo contra Gonçalo por parte do casal McCann.
    Responder
     
     0
    !