Ministério investiga universidade que impede alunos de ir a exame

ISCSP, da Universidade de Lisboa, terá alegadamente excluído alunos que não pagaram propinas.
20.07.18

O Governo iniciou uma investigação na sequência de uma denúncia de alunos do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, da Universidade de Lisboa (ISCSP-UL) de que foram impedidos de realizar exames por falta de pagamento de propinas ou ausência do respectivo comprovativo de pagamento.

De acordo com o Expresso, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, já enviou o caso para a Inspeção-Geral da Educação e Ciência.

A denúncia foi feita na passada segunda-feira pelos deputados socialistas Ivan Gonçalves, Hugo Carvalho, João Torres e Diogo Leão ao Ministério do Ensino Superior, alegando que os alunos teriam sido, inclusivamente, expulsos da instituição.

Além das expulsões, o líder da Juventude Socialista, Ivan Gonçalves, referiu que "muitos outros estudantes" da mesma instituição "não têm conseguido efectivar a inscrição em exames, realizar outros actos académicos ou, inclusive, obter qualquer informação de natureza académica, com o mesmo argumento de terem pagamentos de propina ou de prestações de propina em dívida".

Dois dias depois, em comunicado, o ISCSP-UL - presidido pelo ex-deputado do PSD Manuel Meirinho - respondeu desmentindo as acusações de expulsão e acrescentando que "o não pagamento da propina devida implica a nulidade de todos os actos curriculares e a suspensão da matrícula e da inscrição anual".

Em declarações ao Expresso, o ministro do Ensino Superior diz que o impedimento "vai além" do que está previsto pela legislação.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!