Sub-categorias

Notícia

Ministro não vê razão para aumento de 12% do pão

O ministro da Agricultura, António Serrano, disse esta terça-feira não ver "uma razão para um aumento tão grande" no preço do pão, como aquele de 12 por cento recentemente anunciado pelos industriais do sector, a quem pediu "bom senso".
30.11.10
  • partilhe
  • 0
  • +
Ministro não vê razão para aumento de 12% do pão
O ministro não vê razões para um aumento de 12 por cento do pão Foto Lusa

À margem de uma reunião de ministros da Agricultura e Pescas da União Europeia, em Bruxelas, António Serrano sublinhou que o Executivo não pode intervir nesta matéria, pois "não compete ao Governo estabelecer preços" e "não o pode fazer", mas disse esperar que os industriais levem em conta a época difícil quando decidirem sobre o preço de um "bem essencial".  

Os industriais do sector anunciaram recentemente que o preço do pão deverá  subir pelo menos 12 por cento a partir de Janeiro, devido ao aumento do preço da farinha, que em apenas dois meses disparou 40 por cento, de 260 para 370 euros por tonelada.

Para António Serrano, a subida do preço da matéria-prima não justifica tal aumento, até porque esta "é apenas uma componente da sua estrutura de custos" da produção do pão, "e não é a principal". Por isso, acrescentou o ministro,  o aumento não ocorrerá "exclusivamente por razões associadas ao aumento da matéria-prima" e "provavelmente haverá outras razões que levarão a essa tomada de decisão dos industriais".  

"Não vejo que haja uma razão para um aumento tão grande, mas os industriais  naturalmente farão as suas contas e eles é que saberão qual é a estrutura  exacta de custos. É uma matéria onde o governo não intervém, na formação  dos preços, e cabe aos industriais e aos privados tomar a sua decisão. O que eu espero é que o façam com bom senso e também de modo adequado à época  que vivemos, que é uma época de dificuldades", declarou.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

pub