Nem o próprio partido quer que Temer dispute a reeleição no Brasil

Presidente já confirmou a pessoas mais próximas ter desistido.

A gigantesca rejeição ao presidente Michel Temer, o mais impopular presidente brasileiro das últimas décadas, parece ter conseguido demovê-lo do estranho projeto de se lançar candidato à reeleição nas eleições do próximo mês de outubro. Depois de ele mesmo ter anunciado ser candidato, para, conforme afirmou na altura, "defender o legado" que diz ir deixar ao Brasil quando terminar o mandato, a 31 de dezembro, Temer nos últimos dias já sinalizou a pessoas mais próximas ter desistido, ou estar a pensar em desistir, de tentar manter-se no cargo.

Para isso contribuíram decisivamente pedidos e "recados" enviados por diretórios regionais do seu partido, o PMDB, de norte a sul do país, que não o querem ter como candidato. Maior partido do Brasil mas tendo perdido muito espaço nas eleições municipais de 2016, as últimas realizadas, o PMDB não quer nem ouvir falar na candidatura de Temer, pois sabe que isso afastará eleitores e inviabilizará alianças locais e estaduais com outros partidos, que não querem ter o nome deles ligado ao do polémico presidente, que tomou o poder depois de ter comandado manobras que afastaram a então presidente Dilma Rousseff.

Nas últimas sondagens, realizadas pelo Instituto Datafolha no mês passado, no melhor resultado entre os nove cenários pesquisados, Temer surge apenas com 2% das intenções de voto. Nos outros cenários avaliados, Temer oscila entre 1% e menos do que isso, e a sua rejeição pelo eleitorado é superior a 70%.

Apesar desses números, Temer decidiu lançar-se como candidato, acreditando que, com o passar do tempo e o início da campanha formal na televisão, o seu partido, com influência a nível local no país todo, o ajudaria a reverter esse quadro tão desfavorável. Mas o tempo passou e o que se viu foi o contrário, é o PMDB, que, dependendo da região, ora faz aliança com partidos à direita, ora com partidos à esquerda, incluindo o PT de Lula, que não quer nem a candidatura nem mesmo a participação de Temer nos palcos dos comícios, pois, na avaliação interna, candidato que Temer apoie é candidato derrotado.

Percebendo, finalmente, que não vai conseguir a reeleição, do que precisava desesperadamente para ficar imune aos inúmeros processos que tem contra si na justiça e que só estão parados por causa do cargo que ocupa, Temer parece ter mudado a sua estratégia.

Ele e o seu grupo político mais próximo, nomeadamente os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, igualmente alvos de denúncias de corrupção, estão a avaliar apoiar, mesmo que nos bastidores, um candidato que lhes dê algum tipo de garantia de que, quando perderem a imunidade garantida pelos cargos que ocupam, tente impedir que as garras da justiça os atinjam, ou, ao menos, que os atinjam de forma atenuada.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!