Mexia tem de atender ao interesse da elétrica e de todos os acionistas

Cumprimento destes deveres "implica, por exemplo, gerir 'no interesse da sociedade'".
Por Lusa|06.06.18
  • partilhe
  • 0
  • +

O regulador dos mercados esclareceu esta quarta-feira que a administração executiva da EDP, liderada por António Mexia, tem de atender aos interesses da elétrica e de todos os acionistas, incluindo os minoritário, durante a pendência da OPA.

Apesar de as restrições à gestão da empresa não se aplicarem no caso da existência da Oferta Pública de Aquisição (OPA) pela China Three Gorges (CTG) - previstas no princípio da neutralidade do Código de Valores Mobiliários -, o regulador de mercados esclarece que "os órgãos de administração de sociedades estão obrigados a deveres fundamentais, onde se incluem deveres de 'cuidado e lealdade'".

Numa nova atualização às perguntas frequentes sobre a OPA à EDP, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) explica que o cumprimento destes deveres "implica, por exemplo, gerir 'no interesse da sociedade', atendendo aos interesses de longo prazo dos sócios e ponderando os interesses dos outros sujeitos relevantes".

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!