PCP culpa UE e governo pela "iminente rutura" no setor ferroviário

Dirigente comunista atribui responsabilidade às regras impostas por Bruxelas, seguidas pelo atual e anteriores gorvernos portugueses.
Por Lusa|13.08.18
  • partilhe
  • 3
  • +
O dirigente comunista João Ferreira atribuiu esta segunda-feira a responsabilidade de "iminente rutura" do setor ferroviário às regras impostas por Bruxelas, seguidas pelo atual e anteriores governos portugueses, em benefício do "grande capital e grupos monopolistas", designadamente da Alemanha.

O deputado ao Parlamento Europeu ironizou com o "sucesso" dos "pacotes legislativos" comunitários para, por exemplo, "a Siemens alemã, a grande multinacional que se consolidou no processo, que eliminou e comprou o essencial das empresas fabricantes, a ponto de já ter comprado a própria multinacional francesa Alstom, que esdomina o mercado europeu", em conferência de imprensa na sede do PCP, em Lisboa.

"Importa recordar a destruição do aparelho produtivo nacional de material circulante, completado em 2003/05, com o encerramento da Sorefame e cumplicidade ativa dos governos de Durão Barroso (PSD/CDS-PP) e José Sócrates (PS), que não pode ser desligado do facto de os últimos comboios adquiridos para a ferrovia nacional terem-no sido em 2002, à Sorefame", disse.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!