Porto Editora nega despedimentos

Grupo editorial tem de enfrentar suspensão de novos manuais por parte do Governo.
Por Ana Maria Ribeiro|16.07.18
  • partilhe
  • 0
  • +
A Porto Editora nega que vá despedir funcionários, mas fonte do grupo admite que a empresa, prestes a celebrar 75 anos de existência, está a viver um período "muito exigente" da sua história. O Governo suspendeu a adoção de novos manuais escolares para os 3º e 7º anos do ensino básico até 2022, assim como os de Biologia e Geologia do 11º ano, o que irá afetar as estruturas das editoras livreiras nacionais. O grupo Leya não confirma o despedimento de cerca 30 colaboradores, mas também já se queixou das medidas.

"O decréscimo no número de alunos é um dado preocupante, mas a crise também o é", acrescenta Paulo Rebelo Gonçalves, responsável de Comunicação e Imagem do grupo. "A crise afeta, de há oito ou nove anos a esta parte, o setor livreiro com grande intensidade e não parece haver solução à vista."
Já este ano, em março, a Porto viu destruída a sua unidade gráfica da Maia, o que provocou "milhões de euros" de prejuízo e obrigou a editora a subcontratar empresas portuguesas e espanholas para dar vazão ao caudal editorial. "Estamos a construir uma gráfica nova e vamos fazer algumas restruturações, mas não se coloca a questão dos despedimentos", garante Paulo Rebelo Gonçalves.

PORMENORES
Preços inalterados
A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) e o Governo chegaram a acordo para manter inalterado o preço dos manuais escolares nos próximos quatro anos. Situação poderá implicar a restruturação de algumas empresas do setor e afetar trabalhadores.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!