Sub-categorias

Notícia

Portugal foi dos que mais reduziu investimento em educação

Avança relatório da OCDE.
Por Lusa|24.11.15
  • partilhe
  • 0
  • +
Portugal foi dos que mais reduziu investimento em educação
Portugal foi um dos países que mais reduziu a despesa pública com instituições educativas Foto Mariline Alves

Portugal foi severamente atingido pela crise financeira e reduziu substancialmente o investimento em educação durante a recessão, afirma a OCDE num relatório esta terça-feira divulgado, sublinhando que o dinheiro privado é uma fonte de financiamento significativa em todos os níveis.


"O total da despesa pública em educação em Portugal aumentou 14 por cento entre 2008 e 2010 para voltar a cair 14% entre 2010 e 2012", lê-se no relatório 'Education at a Glance', que contém dados dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE) e de parceiros.


Portugal foi um dos países que mais reduziu a despesa pública com instituições educativas neste período, o que se relaciona com o facto de ter tido também uma das piores recessões da OCDE.

Cidadãos licenciados
A OCDE considera também que Portugal tem uma compensação salarial "muito elevada" para os cidadãos licenciados, afirmando que ganham, em média, mais 69% do que a população com o ensino secundário.


A média da OCDE neste parâmetro é de 57 por cento, segundo os dados divulgados no relatório 'Education at Glance 2015', que contém indicadores dos 34 países da organização e de outros parceiros.


Segundo os peritos que avaliaram os dados, 44% das pessoas com graus académicos no ensino superior ganham pelo menos o dobro do salário médio, comparando com apenas 15% da população total.


"Os que têm uma licenciatura ou equivalente ganham em média mais 69% do que os que têm o ensino secundário, o que está acima da média da OCDE de 57%", lê-se no documento.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias