Presidente do Arouca com pena reduzida no caso do túnel de Alvalade

Aplicação de regulamento mais vantajoso diminui suspensão de 20 para 15 meses.
05.03.18

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) reduziu a pena aplicada pelo Conselho de Disciplina a Carlos Pinho, presidente do Arouca, na sequência do chamado caso do Túnel de Alvalade, avança o jornal Record.

O líder do emblema agora na 2.ª Liga fora condenado a 20 meses de suspensão e 29.300 euros de multa devido a seis infrações disciplinares. Recorreu para o TAD, que lhe aplicou 15 meses de suspensão e cerca de 18 mil euros de multa.

A redução do castigo deveu-se essencialmente à alteração do Regulamento Disciplinar, sobretudo na parte da reincidência. Como o novo Regulamento é mais vantajoso ao infrator, o TAD entendeu (como é habitual nestes casos) aplicá-lo. E, dessa forma, Carlos Pinho viu a pena ficar mais leve.

O acórdão do TAD relativo ao recurso de Carlos Pinho, que deve ser divulgado nas próximas horas, considerou que os factos expostos no acórdão do CD são verdadeiros, incluindo o facto de Bruno de Carvalho ter expelido fumo ou vapor de água em direção do presidente do Arouca. 

O presidente do Sporting sempre negou essa acusação e também recorreu para o TAD da suspensão de seis meses que foi foi aplicada. No entanto, este recurso ainda não foi decidido pelo TAD.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!