Sub-categorias

Notícia

PSD disponível para “aproximar posições” sobre reforma do Estado

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, insistiu esta quarta-feira que não pode aceitar que a comissão para a reforma do Estado não funcione e disse que se mantém disponível para "aproximar posições" com os partidos oposição.
13.02.13
  • partilhe
  • 0
  • +
PSD disponível para “aproximar posições” sobre reforma do Estado
Luís Montenegro garantiu que PSD continua disponível para aproximar posições sobre reforma do Estado Foto Mário Cruz/Lusa

"Tive ocasião de dizer aos meus colegas líderes parlamentares dos outros partidos que não posso aceitar enquanto líder parlamentar um desfecho tal e qual ele está hoje apresentado, mantendo-me disponível com a minha bancada para aproximar posições", disse Luís Montenegro aos jornalistas.

O presidente da bancada social-democrata falava à saída da reunião da conferência de líderes em que a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, propôs que o objeto da comissão seja clarificado numa carta de intenções.

"Tivemos uma conversa profunda sobre esse tema na conferência de líderes. Creio que a senhora presidente mantém um esforço que nós acompanhamos de tentar prestigiar o Parlamento, cumprindo e concretizando a deliberação que foi tomada e tentando aproximar posições", afirmou Montenegro.

"Em nome da bancada do PSD mantenho uma posição serena e construtiva de que o Parlamento construa uma saída para este problema que passe pelo respeito pelas regras democráticas e que passe também pelo cumprimento daquele que era o nosso objetivo, que o Parlamento não ficasse indiferente a uma discussão que a sociedade portuguesa está a desenvolver relativamente à projeção dos próximos anos em Portugal", sustentou.

A presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, tinha recusado dar posse à comissão parlamentar para a Reforma do Estado, aprovada em plenário pela maioria PSD/CDS-PP, considerando que sem a oposição, que recusou participar, não estavam reunidas as condições para o exercício do contraditório.

"Vamos aguardar, foi lançado o repto para que todos os partidos possam aprofundar os termos da discussão que tivemos lá dentro, não vou entrar em grandes pormenores porque não quero prejudicar esse objetivo".

A comissão parlamentar para a reforma do Estado foi aprovada em plenário da Assembleia da República pela maioria PSD/CDS-PP, mas a oposição anunciou que recusava integrá-la, argumentando que já tinha uma pré-conclusão, a do corte de quatro mil milhões de euros nas funções do Estado.

A presidente da Assembleia considerou que a comissão parlamentar não reunia o contraditório mínimo para funcionar e que não lhe daria posse, tendo hoje proposto aos líderes parlamentares que o objeto da comissão seja clarificado numa carta de intenções.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
3 Comentários
  • De Joaquim Carreira Tapadinhas13.02.13
    Esta gente anda toda a brincar às casinhas e continua a não encontrar um rumo certo para o país.Hoje querem,amanhã não,e não vemos uma via que nos tire deste lodaçal em que nos colocaram.Continuamos num caminho inSEGURO.
    Responder
     
     9
    !
  • De Joana de Lemos13.02.13
    Este pseudo-PSD não vai "aproximar" coisa nenhuma. E já nas próximas eleições vai levar uma "tareia" histórica. Tão cedo, não se levantará. O PS fez muita asneira, é verdade. Mas este PSD choca, de tanta insensibilidade!
    Responder
     
     0
    !
  • De ZÉ POVINHO FARTO DELES13.02.13
    TAMBÉM OS PORTUGUESES NÃO ACEITAM QUE AS REFORMAS DO ESTADO SEJAM FEITAS POR MAÇONS, PARA MAÇONS E A SEU BELO PRAZER, PARA SERVIR INTERESSES OBSCUROS QUE A JUSTIÇA "INDEPENDENTE" DEVERIA COLOCAR NOS SEUS DEVIDOS LUGARES.
    Responder
     
     1
    !

Mais notícias