CM Não Esquece
Costa entrega 36 carros de combate aos fogos

Costa entrega 36 carros de combate aos fogos

Oferta vai ser realizada esta sexta-feira.

Trinta e seis novos carros de combate aos incêndios florestais vão ser entregues esta sexta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, a equipas do GIPS/GNR e da Força Especial de Bombeiros.
António Costa entrega 36 carros de combate aos fogos

A iniciativa surge no âmbito do conselho de ministros extraordinário que se realiza este sábado em Pampilhosa da Serra, dedicado aos fogos e ao interior. Trata-se de parte do investimento total de 7,5 milhões de euros em 124 viaturas de combate a incêndios florestais a entregar este ano.

Segundo explicou ao CM fonte do Ministério da Administração Interna, de Eduardo Cabrita, o Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS/GNR) recebe esta sexta-feira 20 Veículos Ligeiros de Combate a Incêndios (VLCI), para patrulhamento e ataque inicial. Cada um tem uma equipa de quatro militares e 550 l de água. Os 16 VLCI que a Força Especial de Bombeiros recebe têm a mesma capacidade.

A mesma fonte do Executivo assegura que já foram entregues 49 viaturas ligeiras e que até ao final do mês serão postas ao serviço mais. O GIPS/GNR receberá ainda 19 VLCI e 16 Veículos Pesados de Combate a Incêndios, enquanto a Força Especial de Bombeiros receberá outros quatro veículos pesados.

O efetivo do GIPS/GNR, reforçado este ano para 1081 elementos (mais quase 500), deverá ainda receber em breve um segundo fato para combate a incêndios.

O conselho de ministros de este sábado realiza-se no concelho de Pampilhosa da Serra onde, o ano passado, ardeu toda a área baldia, totalizando cerca de 7 mil hectares. Foram destruídas centenas de casas.

PORMENORES
Quatro Canadair
Um relatório deste ano propõe ao Governo a compra de quatro aviões pesados Canadair e 10 médios Fireboss de combate a incêndios, além de ‘hélis’, num total de 33 meios aéreos próprios.

Ideia antiga
O documento, que os ministérios da Administração Interna e da Defesa estão a analisar, defende uma aquisição de meios próprios que tem vindo a ser proposta desde o início dos anos 1980.

Ter uns e alugar
Questionado na conferência ‘CM Não Esquece!’ sobre porque Portugal não compra Canadairs, o secretário de Estado da Proteção Civil disse que a "lógica" é "ter alguns meios e alugar outros".