Sub-categorias

Notícia

Casa cobiçada por Madonna em Lisboa já foi uma embaixada

Palacete vale 7,5 milhões de euros.
Por José Carlos Marques|15.09.17

A guerra era lá longe, no distante Médio Oriente, mas os moradores do bairro da Lapa, em Lisboa sentiram na pele as suas consequências. De repente, a partir da primavera de 2003 as pacatas ruas de São Francisco de Borja e a rua Arriaga foram tomadas por agentes da polícia, armados com metralhadoras. Noite e dia, as ruas passaram a ser patrulhadas por dezenas de agentes. A explicação para o aparato era simples. Pouco mais de 10 metros separavam o palace da Embaixada do Iraque, na rua Arriaga, da residência do embaixador inglês, na esquina da Arriaga com a São Francisco de Borja. Quando as forças da coligação liderada pelos americanos invadiram o Iraque, o reforço policial foi imediato. E durou vários meses, até os agentes se retirarem, em paz.

Mais de 14 anos depois, muito mudou naquele bairro. Para começar, os ingleses retiraram-se. Depois de mais de 150 anos no edifício que foi embaixada e depois residência do embaixador britânico, os diplomatas britânicos mudaram-se para outro palacete, na mesma freguesia da Estrela. O casarão ao serviço de Sua Majestade, com um jardim que ocupava metade do quarteirão, foi vendido em 2007 e convertido em várias moradias de luxo. Uma delas, avaliada em 7,5 milhões de euros, é agora cobiçada por uma outra rainha: Madonna, a monarca da Pop.

Madonna mantém-se firme na decisão de comprar uma casa em Lisboa e, garante o Daily Mail, visitou uma das casas mais distintas de um dos bairros mais ricos de Lisboa – a Lapa, onde funcionam embaixadas e residências de embaixadores de vários países.

Pois a casa que a cantora americana namora é precisamente aquela que serviu como embaixada e depois a residência do embaixador britânico em Portugal. Um palacete que remonta à época pombalina, cujas paredes guardam muitas histórias e segredos.

No site ‘Room for Diplomacy’, que lista as propriedades da diplomacia britânica em todo o mundo, conta-se a história do edifício, construído ao estilo pombalino, depois do terramoto de 1755.

Propriedade do Conde Redondo, o imóvel foi vendido ao eminente filósofo e escritor Matias Aires Ramos da Silva d’Eça Lorde, em meados do século XVIII. Este construiu ali uma casa rudimentar a que chamava ‘a barraca’, mas a propriedade viria a ser vendida a outra família de condes, os Rio Maior, após a sua morte. São estes que constroem o palacete de estilo pombalino que o diplomata britânico Howard de Walden viria a arrendar para sua residência, em 1833.

A casa e os terrenos em volta foram depois comprados pela coroa britânica e ali foi instalada a embaixada do país em Portugal. Numa edição da Revista Municipal da Câmara de Lisboa, de 1940, lê-se um lisonjeiro texto sobre a propriedade.  "Tanto a casa como o jardim foram cenário de muitas receções brilhantes sob a bandeira inglesa. Os mais velhos residentes em Lisboa recordam, particularmente o baile dado em honra do Sua Majestade, o falecido rei D. Manuel [o último rei de Portugal]"

A sede da legação durou até 1940, quando Lisboa se tornou o epicentro da espionagem durante a II Guerra Mundial. O espaço tornou-se exíguo para a quantidade de pessoal colocada em Lisboa e a embaixada mudou-se para o Palácio de Porto Covo, na rua de São Domingos à Lapa. A casa da Rua São Francisco de Borja retomou então as funções de residência do embaixador.

Ao longo dos anos, a propriedade recebeu diversas alterações. Salas e salões foram sendo sucessivamente remodelados até que, no final da década de 2000, o Foreing and Commonwealth Office chegou à conclusão que seria demasiado oneroso fazer as obras de manutenção que se exigiam.  Foi então vendida, em 2007, e convertida num condomínio de luxo, com vários apartamentos.

Mesmo em frente à casa cobiçada pela estrela americana, a embaixada do Iraque ainda ali se mantém.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Cultura

Cultura

"O Zé merece que continuemos"

"O Zé merece que continuemos"

Grupo prepara novas canções. Primeiro novo tema chega na primavera. Sete músicas ainda foram gravadas por Zé Pedro, falecido em Novembro.

pub