Sub-categorias

Notícia

Eduardo Lourenço: “Sou um leitor compulsivo”

Se o toque de um telemóvel perturbou por momentos a conferência que Eduardo Lourenço proferiu ao final da tarde de quinta-feira, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, não há que acusar ninguém: foi o do próprio filósofo a reclamar atenção. De resto, tudo foi sereno numa sessão que decorreu em registo confessional e que inaugurou o ciclo de conferências ‘Ler em Voz Alta’, promovido pela revista ‘Ler’ pelos seus 25 anos de vida.
21.09.12
  • partilhe
  • 0
  • 0
Eduardo Lourenço: “Sou um leitor compulsivo”
O filósofo Eduardo Lourenço fotografado no Centro Cultural de Belém, esta quinta-feira Foto Bruno Colaço

Ao lado de João Pombeiro, director da revista, e frente ao secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, o filósofo disse-se um leitor compulsivo e os livros “a imagem sacralizada do mistério da vida”.

“Não nasci em berço de ouro e não tinha biblioteca em casa, mas quando descobri os livros tornei-me naquilo que sou hoje: um leitor compulsivo”, contou Eduardo Lourenço a uma sala praticamente cheia. “O meu pai, que tinha alguma instrução, tinha já a paixão dos livros e deixou uma mala com alguns. Nela descobri um autor que se podia ler na escola, o Júlio Dinis, um dos grandes do século XIX. Foi a Jane Austen que nós não tivemos.”

Falando de autores que o marcaram, referiu os outros dois “grandes”: Garrett e Camilo Castelo Branco, mas também Fortunato de Almeida.

Qual é o seu nível de satisfação ao ler esta notícia?
  • Muito insatisfeito
  • Muito satisfeito
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)

Mais notícias

Mais notícias de Cultura

pub