Sub-categorias

Notícia

Entrevista a Jaime Pacheco

Campeão no Boavista e com sucesso lá fora, não percebe falta de propostas portuguesas.
Por Sérgio Pereira Cardoso|18.06.17
Jaime moreira pacheco  nasceu a 22 de julho de 1958 (58 anos), em Lordelo, Paredes. Começou no clube da terra, o Aliados, até ser levado pelo ‘Sr. Pedroto’, como sempre o lembra, para o FC Porto. Viveu o Verão Quente com Pinto da Costa e lamenta que essa geração, campeã europeia, tenha saído "escorraçada". Passou por Sporting, V. Setúbal, Paços, Sp. Braga e Rio Ave. Venceu vários títulos nacionais e internacionais. Como treinador, foi campeão no Boavista, já depois de liderar Paços, Rio Ave, U. Lamas e V. Guimarães. Esteve no Mallorca e no Belenenses e teve grande sucesso na Arábia, na China e no Egito, de onde teve de fugir, já que o Zamalek não o queria deixar sair.

Correio Sport: Deixou o Tianjin Teda. Estava programado ou foi uma surpresa?

Jaime Pacheco- Todos os anos, o Tianjin Teda luta até à última jornada pela manutenção na Superliga chinesa e nós, até ao último desafio que fiz, deixámo-los no 8º lugar. A questão é que o Tianjin é controlado pelo governo e, no início desta época, o presidente e o manager foram destituídos, assim como os colaboradores chineses que tinha. E eu senti-me desamparado. Cansado com o desgaste da situação, falei com os responsáveis e foi fácil de resolver.

- A China é um capítulo encerrado de vez?
- Não, não, não. Esta semana fui convidado por outro clubes chinês. Mas, como disse, estou um pouco cansado e entendo que não é o timing certo. Se calhar, daqui por três, quatro meses, ou até em janeiro, posso mudar de ideias.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!