GNR detém 23 agressores de Alcochete em fuga

Militares da GNR apreenderam barras de ferro em viaturas pouco depois do ataque na Academia do Sporting. MP investiga.
Por Magali Pinto, Ana Botto e João C. Rodrigues|16.05.18
Notícia exclusiva para assinantes. Para ler faça Login ou AssineSaiba mais aqui.
Pouco depois das agressões violentas aos jogadores, treinador e restante equipa técnica do Sporting, o grupo de atacantes encapuzados fugiu, deixando as tochas e as barras de ferro para trás. Foram detidos 23 adeptos. Foram apanhados depois de a GNR mobilizar patrulhas para as estradas de acesso ao centro de estágio de Alcochete num ...
Exclusivos CMEste artigo é exclusivo para Assinantes Correio da Manhã
Se já é Assinante, faça o seu loginouClique para ler TODOS OS EXCLUSIVOS CM de hoje.
Obtenha o seu código de acesso com uma simples chamada telefónica (0.60€ + IVA). Se já tem código, insira-o.
Assine agora o Correio da Manhã Digital
  • Assine Acesso integral ao Correio da Manhã ePaper (tal como é impresso em papel, veja exemplo)
  • AssineAcesso ilimitado a todo o site do Correio da Manhã.
  • AssineTodos os exclusivos, opinião e análise da edição em papel.
Saiba mais
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De Amonte17.05.18
    Não vejo ninguém a levantar a cabeça e ter uma abordagem mais abrangente do acontecido. É evidente que me refiro ao que se passou na invasão do campo de treinos dos árbitros, grafitados nas paredes das casas dos árbitros, esperas e abordagens aos familiares dos mesmos.
3 Comentários
  • De Amonte17.05.18
    Portanto o que se passou está na linha normal de acontecimentos. Que medidas preventivas tomaram aqueles órgãos? Seguranças pessoais aos árbitros, é muito pouco. A montante nada se fez e depois isto acontece.
    Responder
     
     0
    !
  • De Amonte17.05.18
    Quem alinhou e para extremistas radicais que olham para isto e não viram punições de nenhum órgão desportivo nem judicial, ficam com a sensação que entre a intimidação e o confronto físico é uma barreira tão frágil que continua tudo como antes, impune.
    Responder
     
     0
    !
  • De Amonte17.05.18
    Não vejo ninguém a levantar a cabeça e ter uma abordagem mais abrangente do acontecido. É evidente que me refiro ao que se passou na invasão do campo de treinos dos árbitros, grafitados nas paredes das casas dos árbitros, esperas e abordagens aos familiares dos mesmos.
    Responder
     
     0
    !