Contra aumento da carga fiscal

O presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) condenou ontem o aumento da carga fiscal sobre produtos de poupança, considerando que sempre defendeu "um tratamento fiscal mais favorável", disse. "A poupança é uma variável económica fundamental. A poupança é a outra face da moeda do investimento. E nenhuma economia se desenvolve sem poupança e sem investimento", acrescentou.
01.11.12
  • partilhe
  • 0
  • +
Contra aumento da carga fiscal
Carlos Tavares (dir.) com Carlos Costa (gov. Banco de Portugal) condena penalização das poupanças Foto Mariline Alves

Carlos Tavares falava à margem do Dia Mundial da Poupança, que ontem se assinalou, e referia-se ao aumento das taxas sobre rendimentos do capital, das mais-valias bolsistas aos dividendos, mas também sobre os juros de depósitos a prazo e certificados de aforro. A actual taxa liberatória subiu esta semana de 25% para 26,5% e, em Janeiro, voltará a subir para os 28%. De acordo com dados ontem revelados, os portugueses pouparam mais 15% no primeiro semestre do ano, na proporção de 1,09 € por cada dez euros, mas se a este valor se retirarem 28% restam0,7848 euros.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
2 Comentários
  • De Nada01.11.12
    Eles comem tudo e não deixam nada! (Nada)
    Responder
     
     0
    !
  • De Vitor Dinis01.11.12
    Os portugueses tem de se mentalizar que o aumento de impostos so para no dia em que se unirem e deixarem de pagar.Nessa altura toda a situacao tera de se alterar e certamente para melhor porque para pior chega...
    Responder
     
     0
    !