Sub-categorias

Notícia

CGTP defende melhorias para a proposta de Orçamento de Estado

Central sindical sugere o descongelamento remunerações do setor público.
Por Lusa|17.10.16
  • partilhe
  • 0
  • +
CGTP defende melhorias para a proposta de Orçamento de Estado
O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos Foto João Relvas/Lusa

A CGTP defendeu esta segunda-feira a necessidade de melhorar a proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2017, nomeadamente descongelando as remunerações do setor público, e vai apresentar propostas nesse sentido aos partidos de esquerda.

"A proposta de OE para 2017 deve ser melhorada na discussão na especialidade e, por isso, a CGTP vai pedir reuniões aos grupos parlamentares do PS, do PCP, do BE e do PEV, para lhes transmitir as nossas posições e propostas para melhorar o documento", disse à agência Lusa o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, no final de uma reunião da comissão executiva da central.

Segundo Arménio Carlos, a proposta de OE deve evoluir de forma a permitir o descongelamento dos salários e das carreiras da Administração Pública e Setor Empresarial do Estado, assim como o reforço dos seus recursos humanos de modo a assegurar a melhoria dos serviços públicos.

A comissão executiva da Intersindical analisou a proposta de Orçamento do Estado para 2017 e considerou que o documento do Governo "prossegue, ainda que com limitações, a reposição de rendimentos dos trabalhadores e pensionistas".

A CGTP salienta "a atualização, embora insuficiente, das pensões, o reforço da proteção social a crianças até aos 36 meses, ou a gratuitidade dos manuais escolares a todos os alunos do 1º ciclo".

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Economia

Economia

Vice de Angola protege procurador no BCP

Vice de Angola protege procurador no BCP

Acusação do Ministério Público revela que Orlando Figueira só continuou a exercer funções no banco porque a contratação tinha sido feita a pedido do vice-presidente de Angola.

pub