Sub-categorias

Notícia

Pilotos preocupados com encerramento de pista no aeroporto de Lisboa

ANA prevê construir uma plataforma giratória de voos.
Por Lusa|17.02.17
  • partilhe
  • 0
  • +
Pilotos preocupados com encerramento de pista no aeroporto de Lisboa
Foto Bruno Simão

A Associação dos Pilotos Portugueses de Linha Aérea (APPLA) reiterou hoje a sua preocupação com o encerramento da pista designada com a sigla 17/35 no Aeroporto de Lisboa, previsto com a transformação da base aérea do Montijo para utilização comercial.

A ANA - Aeroportos de Portugal, adquirida pelo grupo francês Vinci, prevê no seu plano de expansão do aeroporto de Lisboa o encerramento da pista 17/35 para aí instalar um 'hub' (plataforma de acolhimento de aviões) e aumentar a capacidade de parqueamento de aviões, confirmaram à agência Lusa os pilotos e fontes ligadas ao processo.

"No que concerne ao Aeroporto do Montijo vir a ser um complemento ao Aeroporto Humberto Delgado, a direção da APPLA manifestou a sua preocupação com o facto de esta situação poder a levar a um eventual encerramento da pista 17/35 do Aeroporto de Lisboa", referem os pilotos num comunicado divulgado hoje.

Em causa está o facto de a pista 17/35 ser a mais indicada para aterrar, por razões de segurança, "entre três e quatro meses do ano", devido a ventos fortes que causam 'windshear' (rápida variação na direção e/ou na velocidade do vento), conforme já tinha explicado à agência Lusa o presidente da APPLA, Miguel Silveira.

Isto significa que, caso se concretize a desativação da pista 17/35 do aeroporto de Lisboa, durante três a quatro meses do ano, os aviões de longo curso não poderão aterrar no Montijo e terão de divergir para um aeroporto alternativo, sendo os mais próximos Porto ou Faro.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Economia

Economia

Vice de Angola protege procurador no BCP

Vice de Angola protege procurador no BCP

Acusação do Ministério Público revela que Orlando Figueira só continuou a exercer funções no banco porque a contratação tinha sido feita a pedido do vice-presidente de Angola.

pub