Sub-categorias

Notícia

Passos mete 90 milhões no banco de Relvas

Parparticipadas fez cinco aumentos de capital em dois anos. O dinheiro serviu para amortizar créditos concedidos pelo BPN, que o BIC rejeitou no acordo de compra.
Por Miguel Alexandre Ganhão|02.02.16
Notícia exclusiva para assinantes. Para ler faça Login ou AssineSaiba mais aqui.
Passos mete 90 milhões no banco de Relvas
Governo de Passos injetou milhões de euros no banco Efisa, que está a ser comprado por uma sociedade da qual faz parte o ex-ministro Miguel Relvas Foto Miguel A. Lopes/Lusa
Exclusivos CMEste artigo é exclusivo para Assinantes Correio da Manhã
Se já é Assinante, faça o seu loginouClique para ler TODOS OS EXCLUSIVOS CM de hoje.
Obtenha o seu código de acesso com uma simples chamada telefónica (0.60€ + IVA). Se já tem código, insira-o.
Assine agora o Correio da Manhã Digital
  • Assine Acesso integral ao Correio da Manhã ePaper (tal como é impresso em papel, veja exemplo)
  • AssineAcesso ilimitado a todo o site do Correio da Manhã.
  • AssineTodos os exclusivos, opinião e análise da edição em papel.
Saiba mais
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De portuense02.02.16
    Passos perdeu toda a credibilidade juntos dos portugueses daqueles que fazem parte da família social democrata! E quem ganha com esta tristes medidas, é o CDS!
2 Comentários
  • De zalves03.02.16
    Olá!!!!??? Será Passos Coelho sócio de Relvas no Banco? Muita massa sr. Coelho!!!!
    Responder
     
     4
    !
  • De portuense02.02.16
    Passos perdeu toda a credibilidade juntos dos portugueses daqueles que fazem parte da família social democrata! E quem ganha com esta tristes medidas, é o CDS!
    Responder
     
     11
    !

Mais notícias

Mais notícias de Exclusivos

Exclusivos

Sócrates tenta calar CM

Sócrates tenta calar CM

Investigação do Correio da Manhã aos negócios de Maria Adelaide e Carlos Santos Silva irritavam José Sócrates.

pub