Sub-categorias

Notícia

"Ainda me lembro do cheiro da carne esfacelada"

Na Escola de Fuzileiros, após a instrução tática elementar, fiz o curso de fuzileiro especial. Era só para elites
Por Leonardo Ralha|14.01.18
"Ainda me lembro do cheiro da carne esfacelada"
Foto D.R.

Alistei-me na Marinha de Guerra em 1968, com 16 anos, para fugir à vida dura na minha terra. Afinal, comi o pão que o diabo amassou. Passei nos exames e ingressei na Escola de Marinheiros de Vila de Franca de Xira, onde tive 90 dias de aulas de carteira, remo e natação. Ao escolher especialidade, com o espírito de aventura, fui para os fuzileiros. Meti-me na hora do lobo.

Na Escola de Fuzileiros, após a instrução tática elementar, fiz o curso de fuzileiro especial. Era algo muito duro, só para elites. Em São Pedro de Moel, superei a prova de sobrevivência, e fui para o segundo Vietname: a Guiné. Fiquei no Destacamento de Fuzileiros Especiais nº 13, mas uma avaria no motor do ‘São Gabriel’ perto de Cabo Verde levou a que passasse oito dias na ilha de São Vicente. Quando cheguei à Guiné, fizeram logo o transbordo para a lancha de desembarque e fomos por entre as ilhotas até Ganturé, um aldeamento encostado ao rio Cacheu. Recebemos o armamento e como era atirador de MG 42, com cadência de 1200 tiros por minuto, usava uma bandoleira ao ombro e carregava 14 quilos. Os dois pupilos que formavam esquadra comigo (o destacamento dividia-se em secções e as secções em esquadras) tinham 800 munições cada um.

A primeira operação não tardou. Fomos rio Geba acima e havia a informação de que andavam canoas a passar armas. Quando os avistávamos e fomos ver o que levavam mandaram-se para a água e das margens abriram fogo para um dos nossos botes. Não o afundaram, mas mataram-nos dois. Rebocámos o bote para o navio patrulha, enquanto os Fiat do apoio aéreo ‘picavam’ tudo. Fiquei com os mortos a noite inteira no convés. Com tudo às escuras, no meio da água e em zona de guerra, senti medo e horror. Ainda hoje me lembro do cheiro da carne esfacelada. Marcou-me muito.

MORFINA AOS FERIDOS

Noutra operação, em Gampará, seguíamos pela orla da mata, já ao escurecer. Ia à frente, a proteger o comandante, com a minha MG 42. Os outros estavam à espreita na mata, abriram fogo connosco em terreno aberto. Comecei a disparar e pedi a um pupilo que me desse munições. Veio a correr, mas levou um tiro e ficou com a mão destroçada. Houve um estoiro muito grande e o homem do rádio caiu para o lado. O comandante deu ordem para irmos embora, pegámos no morto e em dois feridos, sempre aos gritos, e fomos pelos campos de arroz. Andámos a noite inteira a fugir para levar o corpo e os feridos ao rio Cacheu. Quando chegámos à margem, ficámos enterrados em água quase até ao pescoço. Demos morfina aos feridos e esperámos pela lancha. À noite, sem barulho nenhum, ouvia-se a milhas, mas demorou uma hora.

Foi uma desilusão quando arrancámos pela mata outra vez, antes do nascer do sol. Estavam à espera e começaram um fogaçal que nos apanhou em campo aberto. Pedimos apoio aos Fiat e os helicópteros mandaram munições. Fomos em ziguezague pela mata e passado pouco tempo o ‘Setúbal’ viu alguém a disparar num coqueiro e deu uma rajada. Ao cair ainda mexia, mas foi morto. Entretanto vimos um vulto a mexer-se. Era um rapazinho de seis ou sete anos, que levámos de volta. Viu morrer o pai. O ódio com que não terá ficado... Faço um pedido de desculpas a todos quantos fiz mal, pois sei hoje que a guerra foi injusta.

Outra vez, fui fazer uma operação psicológica com os felupes, que faziam parte das nossas milícias. Levámos um intérprete e vinho tinto que era quase água. Cumprimentámos o líder da tabanca e apareceram dois com uma gazela atada pelas patas. Mais adiante, estava um círculo deles, todos a dançar com latas atadas aos pés. Olhei e estava um corpo de negro caído no chão, já todo golpeado. "Ai Jesus, valha-me Deus!", exclamei. Pouca gente presenciou tal coisa. E eles usavam caveiras humanas para beber vinho de cana.

Nome Manuel Rebocho

Comissão Guiné (1970-1972)

Força Destacamento de fuzileiros especiais nº 13

Atualidade Reformado aos 65 anos, é casado. Tem 2 filhos e 4 netos  

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Escolhas

O inferno somos nós

O inferno somos nós

Woody Allen regressa com um filme na Coney Island dos anos 50 para abordar alguns dos seus temas favoritos

Domingo

“Não tenho uma guerra civil dentro de mim”

“Não tenho uma guerra civil dentro de mim”

António Manuel Ribeiro viu a sua vida virada do avesso quando Cristina, uma desconhecida, passou a segui-lo por todo o lado. O caso de ‘stalking’ durou décadas e foi o primeiro a ser julgado e condenado em Portugal. O cantor conta-o agora em livro.

Domingo

O fim da falta de cabelo

O fim da falta de cabelo

No futuro, os implantes capilares serão feitos por robôs e as células estaminais ajudarão à produção de novos fios

Domingo

Treinar o optimismo

Treinar o optimismo

Os optimistas geralmente sentem-se bem, o que é positivo em si mesmo.

Domingo

Eles superaram obstáculos que pareciam impossíveis

Eles superaram obstáculos que pareciam impossíveis

Os testemunhos de superação que se seguem são a prova de que há caminhos difíceis com finais felizes... ou menos difíceis do que se esperava. No início deste ano novo fomos beber inspiração à força de Diogo, André, Fernando, Susana, Brasilino e José

Domingo

Sair da casca

Sair da casca

Depois de meditar sobre as acusações de assédio sexual em Hollywood, interroguei-me: então e em Portugal?

pub