Sub-categorias

Notícia

Ana Rita Clara: “Por causa nobre posava nua”

Admite a apresentadora, mas ressalva que o ousado registo fotográfico teria de ser numa “revista de qualidade”. Neste teste diz ainda que a inveja e a maledicência são defeitos portugueses
13.03.11
  • partilhe
  • 0
  • 0
Ana Rita Clara: “Por causa nobre posava nua”
Foto Tiago Sousa Dias

Apresentadora do programa diário ‘Mais Mulher’ (SIC Mulher) está em alta. Ana Rita Clara é socióloga de formação com uma pós-graduação em Jornalismo. Versátil, aprecia a moda, a sofisticação e sente-se como peixe na água nos lugares trendy que apresentou no programa de viagens ‘Boarding Pass’.

Ana Rita Clara considera-se uma pessoa "rebelde e insatisfeita": "Tenho o meu lado inconformista, de quem gosta de ir contra as regras, mas de uma forma muito saudável. Sempre fui muito independente (...), gosto muito de convencionalismos e gosto, sobretudo, de ter liberdade para crescer", disse em entrevista à ‘Caras’.

Começou no ‘Curto Circuito’ (SIC Radical) e passou pela NTV e RTPN antes de regressar a Carnaxide, onde se estreou como actriz na telenovela ‘Laços de Sangue’. Neste Teste Americano só criou uma vez resposta própria, para se insurgir contra o conformismo.

Qual é o seu nível de satisfação ao ler esta notícia?
  • Muito insatisfeito
  • Muito satisfeito

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Escolhas

Amigo Spielberg

Amigo Spielberg

Último filme do realizador americano, ‘O Amigo Gigante’, adapta obra de Roald Dahl sobre uma órfã e o seu enorme amigo

Domingo

Uma rosa com espinhos

Uma rosa com espinhos

O atual presidente do governo regional tem 55 anos e o cultivo das rosas tem-lhe saído melhor do que a política. Depois da câmara do Funchal, na qual o seu sucessor terá encontrado uma dívida superior a 100 milhões, viu-se agora chamuscado pelo “excesso de optimismo” na gestão do incêndio na Madeira. Pelo caminho, ainda um plano de pagamento de dívidas à segurança social, mas não só.

pub