Sub-categorias

Notícia

Graça Freitas: Uma senhora da saúde

Doze anos como subdiretora-geral sobressaem no currículo da sucessora de Francisco George. Por enquanto está em regime de substituição, mas já apresentou candidatura ao cargo.
Por Leonardo Ralha|12.11.17
  • partilhe
  • 0
  • +
Graça Freitas: Uma senhora da saúde

Ainda havia crianças a morrer de sarampo quando   Graça   Freitas começou a trabalhar em centros de saúde de Lisboa. A desgraça teve lugar no início da década de 80, mas ainda hoje impressiona a médica de 60 anos que sucedeu, em regime de substituição, ao diretor-geral da Saúde, Francisco George, depois de este se ter reformado ao fazer 70 anos.

Doze anos como subdiretora-geral da Saúde deram a Graça Freitas uma enorme experiência na gestão de crises, que já se revelou necessária devido ao surto de infeções com a bactéria legionella no Hospital de São Francisco Xavier, em Lisboa, responsável por duas mortes na semana passada. Mas a dúzia de anos também serviu para marcar um estilo. Além da preparação científica e do conhecimento dos dossiês que lhe reconhecem no setor, a "elegância no trato que já não é habitual" é realçada por quem consigo trabalhou na Direção-Geral de Saúde. Até porque, não raras vezes, serviu de contraponto ao estilo do antecessor.

Da convivência com a então subdiretora-geral, Francisco George vincou sempre que lhe admirava a recusa   de   ser   ‘yes   person’.   Algo confirmado por quem sabe como funcionavam essas "duas faces de uma moeda": "Discutiam ferozmente em questões técnicas e depois chegavam a um consenso, que era a posição da DGS."

Também se aponta à sucessora de George - pelo menos durante três meses, até ser concluído o concurso público que avalia os candidatos ao cargo - a recusa de "grandes protagonismos". Por isso mesmo hesitou   muito   até   apresentar   a candidatura para ficar à frente de uma instituição que até hoje só tem uma mulher na galeria de retratos de ex-diretores-gerais: Maria Luísa   de   Saldanha   da   Gama   Van Zeller, que o foi entre 1963 e 1971.

Médica fumadora

Nascida em Angola, a 26 de agosto de 1957, Graça Freitas começou o curso em Luanda, com os combates cada vez menos distantes, mas a independência da ex-colónia levou a que terminasse a licenciatura   na   Faculdade   de   Medicina   da Universidade de Lisboa, onde foi assistente   convidada   de   1995   a 2017. Sempre dedicada à saúde pública, teve uma breve passagem por Macau no início dos anos 90 e começou em 1996 a coordenar o Programa Nacional de Vacinação, incluindo as campanhas sazonais de vacinação contra a gripe.

Protagonista da guerra contra os problemas respiratórios dos portugueses, fumou durante mais de duas décadas, após ceder à tentação dos cigarros na faculdade. Mas largou o vício, tal como superou o cancro, obstáculo maior de quem seguiu o lema "preparar para o pior e esperar pelo melhor" quando antecipava as ameaças da gripe aviária (H5N1) e da gripe A (H1N1).

Graça Freitas é casada com Carlos Costa, professor da Escola Nacional de Saúde Pública e responsável por rankings de hospitais. Não tem filhos,   mas   já   levou   milhões   de crianças a vacinarem-se.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Domingo

Pedrogão em Lisboa

Pedrogão em Lisboa

Quarenta alunos do 1º ciclo do concelho passaram uma semana na Escola Ciência Viva.

Escolhas

O inferno somos nós

O inferno somos nós

Woody Allen regressa com um filme na Coney Island dos anos 50 para abordar alguns dos seus temas favoritos

Domingo

“Não tenho uma guerra civil dentro de mim”

“Não tenho uma guerra civil dentro de mim”

António Manuel Ribeiro viu a sua vida virada do avesso quando Cristina, uma desconhecida, passou a segui-lo por todo o lado. O caso de ‘stalking’ durou décadas e foi o primeiro a ser julgado e condenado em Portugal. O cantor conta-o agora em livro.

pub