Sub-categorias

Notícia

Histórias de videntes

Nas linhas das mãos, nas cartas ou até em borras de chá dizem ser capazes de prever tanto os problemas como a felicidade
08.01.12
  • partilhe
  • 0
  • 13
Histórias de videntes
Se o marido tem uma amante é a pergunta mais ouvida pelos videntes Foto João Cortesão

O Inverno cala o pio na porta número cinco no beco da rua da Primavera, em Lisboa, no escritório da cartomante e quiróloga do jet-set: Zila Rocha, a mulher que conquistou a confiança de um rol de figuras públicas, ao ponto de terem aceite o desafio de expor os traços das suas personalidades no livro ‘Linhas das Mãos dos Famosos - Aprenda as Ler as Suas' [ed. Europa-América]. Fernando Póvoas, Vítor Baía, Manuel Luís Goucha, Marina Mota, Merche Romero e Rita Guerra, entre tantos outros, ilustram a capa do sucesso editorial. Angélico ficou de fora. Morreu. Zila avisou o cantor de que não castigasse o pedal do acelerador. Mas falando com franqueza, se uma fatalidade é prevista, não importa se o ponteiro do cronómetro ultrapassa o limite ou se o automóvel está parado. É só uma questão de tempo até uma criatura ser moradora do céu. "A pessoa acaba mesmo por morrer".

Zila não é profeta, apenas possui a visão sobrenatural que lhe oferta uma predisposição para acertar na ‘mouche'. Inclusive, ser capaz de desvendar segredos do passado trancados a sete, dez chaves e tem até convencido alguns cépticos. O top da desconfiança reside na inaptidão de entregar de bandeja os números do Euromilhões. "Isto não é assim". É da seguinte forma: é obrigatório que as manápulas do sortudo tenham explícito o ano, mês e dia dessa taluda. Mas os portugueses não a procuram para enriquecer: "São razões profissionais, sentimentais e de saúde". Vidente é o sinónimo compulsivo que traduz tamanha capacidade. Errado. Cuidadinho com as palavras. "Esse nome assusta um bocado".

O que assusta é o dom de uma senhora de 52 anos ser como o anúncio do Constantino: a fama vem de longe. A infância, em Aveiro, não teve direito a bonecas, os baldes de pedras que acartou apagaram-lhe as linhas das mãos, mas não lhe levaram o instinto. Já em criança o dote tinha farol promissor: "Eu olhava para as mãos das pessoas e o que eu dizia batia sempre certo". Acertava, sem piedade, com zelo infantil, mistérios, óbitos, divórcios, maleitas, boas notícias e péssimas novidades.

Qual é o seu nível de satisfação ao ler esta notícia?
  • Muito insatisfeito
  • Muito satisfeito

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De  Anónimo 23.06.15
    Olá.Acabei de ler a reportagem e gostaria se possivel saber o contacto do Sr. Julio.Obrigada
13 Comentários
  • De joseeloi24.04.16
    gostaria de ter o contacto do SR.JULIO assunto m . urgente obrigado
    Responder
     
     3
    !
  • De Barao25.06.15
    Preciso de ajuda e gostaria que me dessem o contacto do Sr Julio obg
    Responder
     
     6
    !
    De  Anónimo 15.08.15
    Já sabe do contacto deste sr. Júlio? Pode-me facultar? Obrigada
     
     1
    !
  • De  Anónimo 23.06.15
    Olá.Acabei de ler a reportagem e gostaria se possivel saber o contacto do Sr. Julio.Obrigada
    Responder
     
     12
    !
  • De jeorge10.03.15
    Bom dia. Será possivel facultar-me o contacto do Sr. Júlio. Obrigado
    Responder
     
     7
    !
  • De msgsf22.01.15
    Boa tarde. Gostaria de saber como posso conseguir os contatos dos videntes? Obrigada.
    Responder
     
     1
    !

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Escolhas

Amigo Spielberg

Amigo Spielberg

Último filme do realizador americano, ‘O Amigo Gigante’, adapta obra de Roald Dahl sobre uma órfã e o seu enorme amigo

Domingo

Uma rosa com espinhos

Uma rosa com espinhos

O atual presidente do governo regional tem 55 anos e o cultivo das rosas tem-lhe saído melhor do que a política. Depois da câmara do Funchal, na qual o seu sucessor terá encontrado uma dívida superior a 100 milhões, viu-se agora chamuscado pelo “excesso de optimismo” na gestão do incêndio na Madeira. Pelo caminho, ainda um plano de pagamento de dívidas à segurança social, mas não só.

pub