Sub-categorias

Notícia

“Hoje em dia, os pais andam mais ansiosos"

Mário Cordeiro diz que todos somos ‘millennials’ e que o que distingue as famílias atuais é a forma como algumas se sentam à mesa.
Por Vanessa Fidalgo|04.12.17
“Hoje em dia, os pais andam mais ansiosos"
Mário Cordeiro

Epidemiologista e pediatra de referência para os pais portugueses, Mário Cordeiro acredita que a tecnologia está a pôr em causa a proximidade entre pais e filhos, mas nem por isso os jovens andam mais informados sobre a sexualidade ou comportamentos de risco. Uma entrevista sobre como os tempos modernos influenciam os temas de sempre.

Os adolescentes de hoje têm menos ou mais tendência para comportamentos de risco?

Não gosto da expressão ‘comportamentos de risco’, porque tudo comporta um certo grau de risco. Prefiro a expressão ‘risco acrescido’. E é difícil comparar gerações, sobretudo num país e num mundo onde a evolução sociológica, tecnológica e educacional é tão abissal. Todas as gerações têm condutas de experimentação. No fundo, é chegar a uma idade em que descobrem um ‘menu da adultícia’ e querem, como é normal, provar esse menu. Temos é de detetar o que podem ser riscos e debater com os próprios o que eles já sabem, se o que sabem é correto, e acrescer a esse conhecimento outras coisas que sejam importantes. Informação, só por si, sobretudo nas overdoses atuais, não chega. É preciso debatê-la. Os adolescentes e as crianças precisam sobretudo de mais informação científica para não darem ouvido a asneiras. Não se faz ideia da ignorância que têm a nível relacional.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Domingo

A casa do futuro

A casa do futuro

Vai ser possível pôr a roupa a lavar ou fazer o jantar à distância e sem premir um botão.

Exclusivos

O que é ainda erótico na era da tecnologia?

O que é ainda erótico na era da tecnologia?

Terá o progresso tecnológico banalizado o corpo ou mesmo na era das ‘sextings’ enviadas pelos smartphones continua a haver espaço para o erotismo? E o que é que eles e elas gostam mais no outro na hora de seduzir? A dominação leva vantagem.

pub