Sub-categorias

Notícia

Kika Magalhães: “Nem o Brad Pitt sabe o que fará a seguir”

Nasceu em Famalicão e vive em Nova iorque. Nos EUA dizem que “é uma estrela emergente”. Por cá ninguém a conhece
Por Marta Martins Silva|07.02.16
  • partilhe
  • 8
  • +
Kika Magalhães: “Nem o Brad Pitt sabe o que fará a seguir”
KIka tem 31 anos e há quatro que tenta construir carreira de atriz nos EUA Foto Marten de Boer / Getty Images
Um monstro cinematográfico para a posteridade", "uma estrela emergente" e "talento-revelação" foram apenas algumas das críticas com que a imprensa americana – nomeadamente as revistas ‘Esquire’, ‘Variety’ e ‘Rolling Stone’ – brindou a portuguesa Kika Magalhães, de 31 anos, depois do filme ‘The Eyes of My Mother’ estrear no Festival de Cinema Sundance, nos Estados Unidos. A atriz que em Portugal nunca conseguiu mais do que pequenos papéis está em Nova Iorque há quatro anos a lutar pelo sonho de Hollywood.

Estava à espera deste ‘surruru’ à volta do seu nome no festival Sundance?
Sempre achei que o filme era bom mas nunca pensei que escrevessem estas críticas sobre mim, nem de assinar contrato com uma das maiores agências dos EUA.

Como surgiu o contrato?
O filme passou quatro vezes no festival e passados dois ou três ‘screenings’ comecei a receber contactos de agências e managers interessados em trabalhar comigo e os produtores do meu filme disseram para esperar mais um bocado porque podia haver melhores agências e melhores managers. Esta manager acabou por me contactar e quando falei com os produtores, eles disseram: ‘tens de ficar com essa, é das melhores, assina já, assina já’.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Escolhas

Dois utópicos conversadores

Dois utópicos conversadores

Uma nova editora apresenta um diálogo avassalador e divertido entre dois nomes grandes da cultura nacional.

Domingo

Um GPS de cientistas

Um GPS de cientistas

O projeto da FFMS referencia e liga há um ano 3500 portugueses que fazem ciência em 19 países.

Domingo

Tablets pesam menos

Tablets pesam menos

É um argumento a favor da tecnologia. Em Portugal, alguns colégios privados já substituíram os livros.

Domingo

A Privatização dos CTT

A Privatização dos CTT

Compreendo que muito se alterou desde D. Manuel II, mas quando se muda é de esperar que seja para melhor.

pub