No reino dos liliputos

Estamos sentados na esplanada do café Romeo na ‘rive droite’ de Ljubljana, no dia seguinte à entrada da Eslovénia na volumosa família europeia [crónica escrita em Junho de 2004]. Dos paióis de véspera sobram as canas dos foguetes a baloiçar no Rio Ljubljanica e a espuma dos hectolitros de cerveja bávara bebidos até ao raiar da aurora.
05.11.06
  • partilhe
  • 0
  • +
Entre ontem e hoje a diferença é por enquanto esta: uma cidade antiga de mil anos, arrumada e graciosa de viver (siamesa de Amesterdão na medida humana) suja dos despojos da festa. Uma cidade alegre e floral onde vivem tranquilos – depois de falecido o marechal – 270 mil eslovenos, na sua maioria jovens de antenas expostas aos ventos da mudança. Nos editoriais do jornal ‘Delo’, o colunista Ales Saks escreveu sobre isto vezes sem conta. “Isto” é a identidade eslovena, ou seja, o que distingue um país do tamanho de uma ervilha – leva no máximo duas horas a chegar de Ljubljana a qualquer ponto do país – da manta de retalhos da ex-Jugoslávia de Tito e de ex-satélite da pacta sum servanda de Varsóvia?
– Faz-se muitas vezes a pergunta: os eslovenos são balcânicos ou ocidentais? Mas o problema é o macarrão... e o presunto ibérico – assegura-nos Ales. Senão veja-se: que temos nós de apresentável: as festas ciganas sérvias? O vinho do Montenegro? As praias croatas? Os Alpes austríacos? Os azulejos portugueses...?
Não é que faltem pretextos para escolher a Eslovénia como destino de férias – montanhas, lagos, rios, pescarias, neve, esqui e a liliputiana Ljubljana. A questão de fundo, se alguém se rala com ela, é a identidade, o ‘very tipical’. E não será a maioria do mundo, excepto as calotas polares, uma pratada de cozido ou um panelão de feijoada? Notas tiradas e visto o país de cima a baixo podemos dizer que do caldeirão balcânico, a Eslovénia foi a terra mais poupada e o advento capitalista que cegou russos e os antigos povos do eixo é vivido aqui sem febres de consumismo e infantilidades estéreis.
Ljubljana, a capital, aderiu alegremente às Zaras e MacDonald’s, aos cafés trendy e restaurantes de design, mas não perdeu o embalo das noitadas ciganas, uma certa meninice e a insolência subtil. Na longa história de povo dominado – de romanos a russos todos lhes pisaram os calos – os eslovenos aprenderam a lição do riso e da paciência. Embora não haja onde comer um famoso prato nacional, onde beber um vinho de excepção, um tablado onde dançar um passo latino nascido en la calle, nem Mozartes, Shakespeares, Dantes e Miguéis Ângelos para reverenciar, há todo um povo em efervescência.
Um reino de liliputos inventado para se celebrar a vida e não cumprir oficiosamente com a inexistência. Dos povos eslavos do Sul (eslovenos, croatas e sérvios), os primeiros são os mais convictos das suas raízes, sobretudo a religiosa – a maioria é católica praticante – e assumem-se como os menos balcânicos do trio. Por curiosidade, como aponta Ales, são escassas as patentes de origem eslovena.
Talvez a mais genuína seja a mania das independências (foram os primeiros a manifestar o seu desejo de autonomia da Liga Comunista, consumada em 1991), ou uma outra, de referendar tudo, dos direitos civis à construção de uma rotunda. Resultado prático: antes de chegarem os fundos de coesão, a Eslovénia é já um país desenvolvido com cidades, vilas e aldeias integradas em harmonia numa paisagem de minifúndio minhoto, uma população letrada (82% concluiu o liceu) e um salário mínimo acima da média europeia. Não espanta que se viva de três em pipa. Por estas e por outras razões é que Ljubljana é, sem dúvida nenhuma, um destino que tem todas as condições para dar cartas neste velho continnente. E depois da primeira visita a tendência será certamente de repetir a dose.
GUIA DO VIAJANTE
COMO IR?
Há voos para Ljubljana via Munique com a Lufthansa (Tel. 21 892 44 00). As tarifas, na última actualização, rondavam os 439 €
ONDE DORMIR?
- Grand Hotel Union Miklosiceva, 3, Tel. 00 386 1308 1170, Duplos a partir de 80€
- Celica Hostel Metelkova, 9, Tel. 00 386 1430 1890, Duplo a partir de 25€
ONDE COMER?
- Minimal Mestni tr, 4, 20€
- Antico Stari trg, 27, 30€
- Sax Pub Eipprova, 7, 10€
- Café Romeo Stari Trg, 10€
O QUE FAZER?
- Em Ljubljana, deve caminhar na parte antiga, sair à noite, fazer compras de velharias no mercado das pulgas (aos sábados, a partir das 6h), e beber vinho Refosk e cerveja Union.
- Fora da cidade, tem os lagos Bled e Bohinj (a uma hora de carro) que fazem parte do Parque Triglavski Narodni. Se quiser aderir a actividades organizadas deve consultar a PacSports, na Ribcev Laz 50, Bohinjsko Jezero, Tel. 041 698 523 www.packsports.com especializados em rafting e canoagem.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!