Sub-categorias

Notícia

O fim da falta de cabelo

No futuro, os implantes capilares serão feitos por robôs e as células estaminais ajudarão à produção de novos fios
Por João Ferreira e Suely Costa|14.01.18
O fim da falta de cabelo

Já não é "dos carecas que elas gostam mais". Hoje a calvície é considerada uma doença ligada a muitas outras como a depressão ou o cancro maligno (melanoma) do couro cabeludo e do pescoço. Mas as mais recentes evoluções tecnológicas e científicas prometem atenuar ou mesmo acabar com o problema.

Na área da robótica há um protótipo que, no futuro, vai conseguir extrair folículos de cabelo, analisá-los e voltar a implantá-los onde é preciso. Tudo de uma só vez, de forma mais rápida e muito mais segura. Esta inovação, que está a ser desenvolvida em Portugal, fará o transplante capilar automaticamente, retirando da zona dadora os melhores folículos e transplantando-os imediatamente na zona calva.

Investigação inovadora

Mas mesmo com toda a tecnologia existente, ainda há pessoas que não podem submeter-se a este processo. Paulo Ramos, CEO da Clínica Saúde Viável, garante que quer "dar resposta a estes casos com uma investigação pioneira, à escala global, em parceria com o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (I3S), da Universidade do Porto. Os investigadores estão a tentar descobrir a forma das células estaminais existentes nos folículos não perderem as suas propriedades para poderem produzir cabelo em laboratório", conta. Esta investigação, ainda no início, já tem resultados promissores. Espera-se agora que esta união entre a ciência e a tecnologia traga no futuro a cura para esta doença que afeta cerca de 70 por cento dos homens e 40 por cento das mulheres. Se as experiências correrem bem, no futuro só será careca quem quiser.

SOCIEDADE BIT, POR REGINALDO RODRIGUES DE ALMEIDA

Carecas, sim, mas por opção

A calvície afeta mais os homens do que as mulheres e, talvez por isso, o adágio popular nos tenha habituado que "são dos carecas que elas gostam mais". Verdade ou mentira conveniente, não importa, o relevante é que a calvície, gerada de forma hereditária ou consequência da dieta alimentar, do stress ou até de outros problemas de saúde, é uma doença (a alopecia) que, por sua vez, pode originar estados clínicos complicados, tais como a depressão profunda ou mesmo o cancro de pele.

A ciência, através da robótica, conjugada com as células estaminais em laboratório, tem vindo a levantar cabelo (nunca uma expressão popular pode ser tão bem contextualizada), ou seja, a reimplantar folículos capilares como se estes nascessem pela primeira vez, e que crescem normalmente. Importante é a massificação do tratamento pois poderá contribuir para que mais pessoas usufruam de uma realidade que ajuda a melhorar a autoestima. Carecas, sim, mas por opção.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Domingo

Pedrogão em Lisboa

Pedrogão em Lisboa

Quarenta alunos do 1º ciclo do concelho passaram uma semana na Escola Ciência Viva.

Escolhas

O inferno somos nós

O inferno somos nós

Woody Allen regressa com um filme na Coney Island dos anos 50 para abordar alguns dos seus temas favoritos

Domingo

“Não tenho uma guerra civil dentro de mim”

“Não tenho uma guerra civil dentro de mim”

António Manuel Ribeiro viu a sua vida virada do avesso quando Cristina, uma desconhecida, passou a segui-lo por todo o lado. O caso de ‘stalking’ durou décadas e foi o primeiro a ser julgado e condenado em Portugal. O cantor conta-o agora em livro.

pub