Sub-categorias

Notícia

O Mundo

Não adianta protestar contra a globalização num mundo cada vez mais interligado. É uma guerra idiota
13.08.17
  • partilhe
  • 0
  • +
O Mundo

Por Maria Filomena Mónica

Quando vivi no estrangeiro, estavam sempre a perguntar-me por que razão Portugal, um país que no século XVI fora caput mundi, tão cedo tivesse entrado em declínio
. Repeti que éramos uma nação pequena e, por conseguinte, pouco adequada à construção de impérios. Ao olhar há dias a pintura que retrata a lisboeta Rua Nova dos Mercadores no século XVI dei comigo a cismar se outro poderia ter sido o nosso destino. Não, não podia. Depois de Vasco da Gama, o mundo passara a ser outro. Hoje, já não é possível encontrar a profusão de mercadorias presente no quadro de Rossetti. Gostando de variedade, de cada vez que, em Lisboa, comprava uma peça de indumentária sentia-me defraudada. Até que, em 1962, parti para Londres. Com pouco dinheiro, limitei-me a olhar as montras com lascívia.

Casaquinhos pink

Durante mais de 50 anos, todas as minhas roupas, de camisolas a toalhas de turco, foram compradas no Marks & Spencer. Fundada em Leeds em 1884, esta rede de armazéns orgulhava-se de vender apenas produtos fabricados na Grã-Bretanha, o que, se me era indiferente, não o era aos nativos. Até que, um dia, os adolescentes passaram a desejar casaquinhos pink com brilhantes, os quais conviviam mal com as eternas camisolas beije. Agora, que não posso viajar, sirvo-me do comércio lisboeta. Comprei uma toalha de praia num ‘chinês’. A fim de surpreender os meus netos, escolhi uma com a bandeira portuguesa, tendo constatado que o local onde a dita havia sido fabricada era a ‘Ásia’. Uma amiga, que tinha ido à Índia, trouxe-me um daqueles tapetes para o rato do computador, onde vinham as seguintes palavras: "Patented Worldwide" e "Made in the USA". Estava quase a desesperar de encontrar qualquer coisa fabricada em Portugal, quando comprei um soutien da marca Figfort. Na lingerie, pelos vistos, conseguimos competir.

A luta contra a globalização tem conquistado intelectuais. É uma guerra idiota, pois, de um mundo interligado, não há recuo. O que os esquerdistas esquecem é que a globalização está a tirar da miséria quem até hoje morria de fome. O que podemos e devemos fazer é conseguir bons tratados comerciais. O resto são delírios.

Restaurante
Tão bom que era almoçar no La Gondola

Tenho pena que o La Gondola vá ser demolido para dar lugar à sede do Montepio. Claro que as cidades têm de se renovar, mas correm o risco de, com tanta renovação, acabarem por perder a personalidade. Há anos que lá não vou, mas não esqueço quão agradável era almoçar, em Lisboa,
debaixo de uma parreira.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Domingo

Pronto para acelerar

Pronto para acelerar

Um ano depois de ter sido anunciado, o Gran Turismo chega finalmente na quarta-feira.

Escolhas

Uma eleição local

Uma eleição local

Para o domingo de autárquicas concentrei-me na análise do mais pequeno dos poderes em Portugal

Domingo

Inês de Medeiros, a autarca surpresa

Chegou à política pela mão de Sampaio. Em casa sempre teve gatos pretos, mas não se pode dizer que lhe trouxeram azar: acabou com o reduto comunista de Almada por 313 votos.

pub