Sub-categorias

Notícia

O que é um postal?

O fax está nas últimas e o telex pertence aos tempos antigos do telégrafo.
Por J. Rentes de Carvalho|13.08.17
  • partilhe
  • 0
  • +

Você escreve cartas? Um ou outro excêntrico talvez ainda use esse meio antigo de comunicação e pegue na caneta ou bata as teclas da máquina de escrever, mas quem se preza desdenha de velharias, acompanha o progresso. Postais? Só mesmo os reformados ainda os mandam à vizinha, como prova de que estão a gozar o sol no Algarve. E a uma adolescente ouvi eu que perguntava à mãe: - O que é um postal?

O fax está nas últimas e o telex pertence aos tempos antigos do telégrafo e da locomotiva a vapor, hoje comunicamos sem parar e sem falha, quase à velocidade da luz. Ele é internet e Twitter, telemóvel, E-mail, SMS, Facebook, Instagram, mais umas quantas possibilidades de que oiço falar, mas desconheço. E porque isso nos parece escasso, inventamos planetas sociais, perfis, segundas e terceiras vidas, de maneira que, comparado ao virtual, o mundo da realidade se torna monótono e insosso, até no sexo fica a perder.

Porque este em que agora vivemos é um de agitação, nervos e muito gesticular, um mundo onde se conversa ao ritmo de rajadas de metralhadora. Leio que um grupo de cientistas andou a medir o fenómeno, concluindo que nos últimos dez anos a velocidade da fala nos países mais desenvolvidos aumentou vinte e sete por cento. Não será trinta? Talvez trinta e cinco? Pena é que não tenham também medido o riso, pois estou certo de que no mesmo período a quantidade e o volume do riso subiram, hoje falamos de preferência às gargalhadas, imitando a alegria enlatada da televisão. Ruído em vez de sílabas.

Contactamo-nos, febris, através de novas e sofisticadas formas, convencidos de que o progresso, a felicidade e o bem-estar disso dependem. Paradoxalmente, vai aumentando o nosso isolamento, a ameaça da solidão já não se limita aos idosos, ataca também os crentes que dia e noite se agarram ao Facebook, ao Instagram, ansiosos que os vejam, os conheçam, lhes digam que existem, os favoreçam com uma migalha de aplauso. E podemos imaginar-nos ligados ao mundo inteiro, mas para o mundo já não somos indivíduos, apenas avatares a que um clique dá vida e o clique seguinte descarta.

Coincidência. Ocupado a rever esta prosa, recebo um SMS do vizinho do lado anunciando que vai viajar e, como de costume, não aconteça algum percalço, deixará a chave de casa na nossa caixa do correio. Tocar à campainha e dar o recado? Seria simples, mas a comunicação hoje é vício, é febre, parece um ataque que nos dá. Entre o ecrã do telemóvel e vermo-nos cara a cara, escolhemos o primeiro.

Texto escrito na antiga ortografia

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Domingo

Natal tecnológico

Natal tecnológico

Na área dos gadgets e dos brinquedos há muito por onde escolher. Do iPhone a um drone para miúdos.

Domingo

O papel do ressentimento

O papel do ressentimento

O ensaio de Marc Ferro discorre sobre a perpétua luta onde os perseguidos de ontem são os perseguidores de amanhã.

Domingo

Consoada com as receitas dos chefs

Consoada com as receitas dos chefs

Vítor Sobral, Justa Nobre, Miguel Castro e Silva, Rui Paula e Leopoldo Calhau ajudam a preparar, passo a passo, os pratos da ceia

Escolhas

Dois utópicos conversadores

Dois utópicos conversadores

Uma nova editora apresenta um diálogo avassalador e divertido entre dois nomes grandes da cultura nacional.

pub