Sub-categorias

Notícia

O que é um postal?

O fax está nas últimas e o telex pertence aos tempos antigos do telégrafo.
Por J. Rentes de Carvalho|13.08.17
  • partilhe
  • 0
  • +

Você escreve cartas? Um ou outro excêntrico talvez ainda use esse meio antigo de comunicação e pegue na caneta ou bata as teclas da máquina de escrever, mas quem se preza desdenha de velharias, acompanha o progresso. Postais? Só mesmo os reformados ainda os mandam à vizinha, como prova de que estão a gozar o sol no Algarve. E a uma adolescente ouvi eu que perguntava à mãe: - O que é um postal?

O fax está nas últimas e o telex pertence aos tempos antigos do telégrafo e da locomotiva a vapor, hoje comunicamos sem parar e sem falha, quase à velocidade da luz. Ele é internet e Twitter, telemóvel, E-mail, SMS, Facebook, Instagram, mais umas quantas possibilidades de que oiço falar, mas desconheço. E porque isso nos parece escasso, inventamos planetas sociais, perfis, segundas e terceiras vidas, de maneira que, comparado ao virtual, o mundo da realidade se torna monótono e insosso, até no sexo fica a perder.

Porque este em que agora vivemos é um de agitação, nervos e muito gesticular, um mundo onde se conversa ao ritmo de rajadas de metralhadora. Leio que um grupo de cientistas andou a medir o fenómeno, concluindo que nos últimos dez anos a velocidade da fala nos países mais desenvolvidos aumentou vinte e sete por cento. Não será trinta? Talvez trinta e cinco? Pena é que não tenham também medido o riso, pois estou certo de que no mesmo período a quantidade e o volume do riso subiram, hoje falamos de preferência às gargalhadas, imitando a alegria enlatada da televisão. Ruído em vez de sílabas.

Contactamo-nos, febris, através de novas e sofisticadas formas, convencidos de que o progresso, a felicidade e o bem-estar disso dependem. Paradoxalmente, vai aumentando o nosso isolamento, a ameaça da solidão já não se limita aos idosos, ataca também os crentes que dia e noite se agarram ao Facebook, ao Instagram, ansiosos que os vejam, os conheçam, lhes digam que existem, os favoreçam com uma migalha de aplauso. E podemos imaginar-nos ligados ao mundo inteiro, mas para o mundo já não somos indivíduos, apenas avatares a que um clique dá vida e o clique seguinte descarta.

Coincidência. Ocupado a rever esta prosa, recebo um SMS do vizinho do lado anunciando que vai viajar e, como de costume, não aconteça algum percalço, deixará a chave de casa na nossa caixa do correio. Tocar à campainha e dar o recado? Seria simples, mas a comunicação hoje é vício, é febre, parece um ataque que nos dá. Entre o ecrã do telemóvel e vermo-nos cara a cara, escolhemos o primeiro.

Texto escrito na antiga ortografia

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Escolhas

O Mundo

O Mundo

Não adianta protestar contra a globalização num mundo cada vez mais interligado. É uma guerra idiota

Domingo

Bussola turística

Cartão, mapa e app orientam e oferecem descontos pelo Portugal do conhecimento

Domingo

O que é um postal?

O fax está nas últimas e o telex pertence aos tempos antigos do telégrafo.

Domingo

Menos barulho

O barulho de fundo prejudica o desenvolvimento de capacidades e a performance

Domingo

A arte de servir bons copos e... guardar segredos

A arte de servir bons copos e... guardar segredos

A profissão está na moda e já ninguém se lembra do filme de Tom Cruise. Histórias da nova geração de barmen em Portugal. Bruno acabou na piscina depois de atender a comitiva dos U2, Carlos reencontrou um amigo de escola

pub