Sub-categorias

Notícia

Os judeus de Lisboa

A celebrar cem anos, a comunidade israelita conta uma história que se confunde com o país
03.06.12
  • partilhe
  • 7
  • +
Os judeus de Lisboa
Ana Araújo, marrana, foi cantora de ópera e hoje mostra a Sinagoga Foto Pedro Catarino

Atrás de um portão discreto, numa das artérias mais centrais de Lisboa, a Sinagoga Shaaré Tikvá – Portas da Esperança – reflecte o gesto para o qual foi inaugurada em 1904, sem fachada para a rua, por ser proibido na época a visibilidade de um templo que não fosse de religião católica. Na arquitectura mesclada de elementos de origem romana, bizantina e romântica lê-se a marca de quem por ali passa.

Coesa, discreta, influente e com origem diversa, assim se traça o perfil da Comunidade Israelita de Lisboa (CIL), que este ano comemora o centenário de uma lei que só com a República reconheceu a associação do culto judaico. São poucos os judeus de Lisboa, cidade cheia de tradições, mas muitas as histórias que têm para contar.

O GOSTO DE CANTAR

Ana Araújo, 71 anos, cantora de ópera reformada, integrava o elenco do Teatro Nacional São Carlos, é agora guia da Sinagoga. Descobriu tarde a sua origem. Descende de uma família de criptojudeus, marranos da Covilhã, portugueses que durante a Inquisição foram convertidos à força à religião católica e continuaram a praticar o culto judaico em segredo.

"Tinha 20 anos, comecei a ter imenso desejo de partir para Israel e a minha mãe contou-me", diz. Até aí, a família praticava a discrição. "Ninguém ia à Igreja, não se baptizavam os filhos e achava isso normal. Só no liceu, quando tive uma professora de religião e moral que rezava todos os dias pelos alunos que não eram baptizados, percebi que a diferente era eu."

Ana Araújo casou com um católico, numa cerimónia "apenas civil", e só aos 43 anos, já separada, voltou a procurar a religião. "Fiz o retorno, estudei o mesmo que as crianças têm de aprender para fazer a cerimónia da conformação, o Bat Mitzva (para raparigas) ou Bar Mitzva (para rapazes), hebraico, orações e já fui a Israel." As filhas seguem o judaísmo de forma diferente: uma é praticante, outra acredita que Deus é igual para todos.


PORTUGUÊS DE GEMA

Samuel Levy, economista, 82 anos, lamenta ser o último da família a residir em Portugal. Judeus sefarditas, com origem na Península Ibérica, o apelido seguiu a rota da história. Data de 1465 o registo de um Levy em Portugal. Para evitar as perseguições dos 300 anos de Inquisição, fixaram-se em Safir, na época uma praça portuguesa, mais tarde em Gibraltar e voltaram "quando D. João VI chamou Moisés Levy", trisavô de Samuel, comerciante rico e empreendedor. Mantiveram passaporte britânico para poder praticar o judaísmo – então só permitido a estrangeiros – e durante as revolução liberais de 1820 hasteavam bandeira inglesa na casa junto à praça do Marquês de Pombal para evitar ser alvo das trocas de tiros que todas as noites agitavam a cidade.

Samuel Levy trocou a tradição. "Sou visceralmente português, é esse o meu passaporte, mas na escola, na universidade, na tropa, era sempre o único judeu. O culto, a religião, cada família pratica à sua maneira, o que nos une é um passado comum." A convivência, "neste país à beira mar plantado, sempre foi pacífica. Fui gestor, director da CUF, presidi à CIL durante três anos, e reconheço que temos certas características na nossa educação que nos levam a ser chamados para determinadas áreas". Desde sempre, os judeus têm por obrigação ensinar os filhos a ler, escrever e contar. De olhos postos no Tejo, que se avista do 9º andar onde habita, lamenta que hoje os bons se "vão todos embora".

CONTAR A HISTÓRIA

É para entender como a história escreveu a vida do seu povo que a socióloga Esther Mucznik pesquisa, investiga e divulga o judaísmo.

Começou longe, num país de frio, a viagem desta família que chegou a Portugal no início do século XX. Foi em 1913, quando o governo republicano reconheceu a comunidade israelita como uma associação de culto judaico, que o avô paterno, natural do que é hoje a Ucrânia, veio para ser rabino em Lisboa. A família materna veio uma década mais tarde, da Polónia, para fugir do anti-semitismo que então grassava na Europa. A comunidade cresceu muito, então.

Esther e os três irmãos, de origem ashkenazi – do Norte e Leste da Europa – já nasceram em Lisboa, no pós-guerra, numa casa que seguia à risca os preceitos da tradição judaica, e se a integração era pacífica também causava estranheza. "Perguntavam o que era ser judeu e a origem do nome. Mas nunca vivi uma situação de anti-semitismo. Existe algum preconceito, ainda hoje, pouco se sabe sobre o judaísmo e há as histórias da Idade Média, do judeu avarento, rico, que quer dominar o mundo." Mas isso acontece porque a comunidade é pequena.

"No país não existem mais de quatro mil judeus e na CIL serão 700. Passaram muitos por cá durante a Segunda Guerra Mundial, mas não podiam ficar. O que se passou então é uma interrogação permanente. Por isso, o meu trabalho é manter a memória, homenagear vítimas e sobreviventes, porque a história é repleta de ensinamentos e o Holocausto é um terreno ideal para se perceber coisas actuais, a importância da ideologia, a propaganda, o papel do educador, do conhecimento, da cultura. Temos muito a aprender com a história."


CELEBRAR A VIDA

Foi por aprender com a história que Miriam Brodheim mantém uma alegria contagiante. Aos 88 anos, acende as velas ao pôr-do-sol de sexta-feira, a hora que antecede o sábado, dia de descanso judaico – não por ser religiosa, mas por ser um ritual que ajuda a celebrar a vida. E ela celebra-a todos os dias.

"Se não fosse Portugal eu não estaria viva e isso não esqueço nunca." Matriarca de um grupo empresarial que emprega mais 300 pessoas, garante que o investimento passa sempre por aqui: "O país merece, os portugueses são bons, simpáticos, acolhedores." Foi por isso que trouxe para aqui tudo o que de bom via lá fora. Aos 18 anos abriu o primeiro jardim de infância Maserotti, já casada trouxe o fecho-éclair – "um sucesso" – e em 1993 abriu o primeiro clube de karaoke, o Karaoke Dollar Clube, na avenida Duque de Loulé, em Lisboa, onde "a diversão era diária. Ficávamos até às 05h da manhã".

Miriam nasceu na antiga Checoslováquia, passou a infância na Alemanha e estava na Bélgica quando o pai chamou a família em fuga do anti-semitismo que grassava. "O meu pai veio a Portugal em negócios e disse--nos ‘encontrei o país dos meus sonhos’. Mandou-nos logo vir, o Norte da Europa estava a ficar perigoso, e fomos muito bem recebidos. Cheguei com dez anos e adaptei-me bem, as crianças têm essa facilidade." A partir de então, Portugal tornou-se a sua casa. O pai está enterrado aqui. Miriam casou em Lisboa, com um refugiado austríaco, judeu de Viena, e aqui teve os filhos e os netos, que dão continuidade aos negócios.

"Tive uma vida gira, sempre diferente, nada monótona. Não sou religiosa, mas sou uma boa judia, gosto de ir à sinagoga, celebro os dias festivos. Os meus filhos casaram com não judeus que não se converteram e celebramos as datas que há para celebrar. Portugal salvou a nossa vida e isso é que interessa ."

FESTA DE FAMÍLIA

É também a celebração que impera na casa de Jaime Bensimon. Gerente comercial, 57 anos, une em si as origens da actual Comunidade Israelita de Lisboa: sefardita e ashkenazi.

"O avô paterno nasceu no Algarve, a avó materna na Polónia." Enquanto um lado da família fez vida em Portugal e Marrocos, o outro percorreu a Europa. "Chegaram a Lisboa depois de uma passagem pela Bélgica, mas o meu avô materno, por achar que a vida não se fazia aqui, partiu para Itália. Nunca voltou. Morreu num campo de concentração", conta.


A religião judaica faz-se em família. E em casa dos Bensimon impera a tradição sefardita. Pai de três filhos e casado com uma judia convertida, Jaime mantém os rituais. "Jantamos juntos à sexta-feira, a nossa alimentação é casher, acendemos as velas, dizemos a oração do pão e do vinho, não trabalhamos nem andamos de carro ao sábado, uso o quipá para ir à sinagoga, sinal de respeito, para definir a altura – acima de nós há sempre algo."

Jaime Bensimon tem aqui a vida, família, bens e carreira. Não pensa sair. Constrangimentos com a religião nunca teve, mas já sentiu intolerância. "Hoje as pessoas estão mais flexíveis e há muitos marranos a fazer o retorno. O país está a viver um tempo mau e Israel abre a porta a todos os judeus."

O ‘CANTOR' DA LITURGIA

É em frente a uma imagem de Jerusalém, a cidade sagrada, que Issac Assor, 47 anos, se deixa fotografar. Sócio de uma agência de viagens, recebe muitos grupos de Israel "que vêm à procura das raízes da herança judaica portuguesa por Lisboa, Algarve, Castelo de Vide, Belmonte, Tomar, Tondela, Madeira e Açores".

Isaac segue o judaísmo com rigor. Filho do antigo rabino Assor, que marcou a comunidade durante quase 50 anos, assume hoje "quase o nível de bombeiro. Sou o hazan, é um trabalho voluntário, e sou o oficiante dos serviços religiosos. É importante perceber a função do rabino, que nada obriga que seja o oficiante dos serviços religiosos. O rabino é o mestre, o homem mais culto, que dá conselhos sobre a vertente religiosa, o hazan é o ‘cantor’, o líder da liturgia", explica.

Casado com uma judia convertida e pai de três filhas, Isaac Assor nota que a Comunidade Israelita de Lisboa nunca foi grande. "O maior perigo é a assimilação. Por força de casamentos fora da comunidade perdeu-se o vínculo à religião e muitos apelidos que eram judaicos hoje não têm ligação à origem. Nos últimos 50 anos, a comunidade nunca apostou seriamente na educação judaica, não temos escola, a sinagoga tem pouca afluência", lamenta.

Pela parte que lhe toca segue a prática: "Escolhi a casa que me permite ir a pé ao sábado à sinagoga, guio-me pelo ciclo de vida judaica, sigo alimentação casher e acredito que somos beneficiados por sermos judeus." Com "90% de amigos não judeus", Isaac só sentiu na pele a intolerância no liceu: "Havia aulas aos sábados e chumbei por faltas dois anos. O meu pai fez um requerimento ao cardeal, mas as respostas vieram tarde." Hoje, o facto de ser-se judeu não limita. "Podemos celebrar os dias religiosos, segundo a lei da liberdade religiosa."

A religião, diz Samuel Ruah, "ajuda a entender a ética. Todos os problemas do direito à morte e à vida, do desejo de um doente ter morte assistida, que choca com o meu dever de médico de o salvar, podem ser discutidos à luz da religião. A vida tem um aspecto sublime, foi concebida por Deus, e é assim em qualquer religião".


NOTAS

PRECEITOS

São 613 os preceitos estabelecidos na Tora, livro sagrado para os judeus que é sempre escrito à mão.

LISBOA

Durante a Segunda Guerra Mundial, passaram por Lisboa cerca de 40 mil judeus em fuga do nazismo.

CASHER

Entre outras regras, o judeu não come porco, não mistura leite com carne e o animal tem de ser morto só de estucada e sangrado.

O CLÍNICO PREFERIDO DA SOCIEDADE LISBOETA 

Neto de um judeu "caritativo", que mandou erguer uma sinagoga em Tânger, Samuel Ruah, 91 anos, é um dos médicos mais reconhecidos do País. Especializou-se em otorrino, apostou na educação da sua prole e é com orgulho que exibe as fotos dos netos a estudar nos EUA. Daniela Ruah é famosa, protagonista da série ‘NCIS: Investigação Criminal’, mas há outros a estudar economia e psicologia. Ser o melhor aluno e "trabalhar sempre mais, mais e mais" são lemas que os Ruah seguem à risca.

Aos 91 anos, o dr. Samuel ainda atende no consultório de Lisboa. Tornou-se médico para cumprir o desejo de um irmão, que morreu 15 dias antes de entrar em Medicina, e com o tempo fez-se grande na profissão. Foi médico de padres, de membros do Estado Novo, director clínico dos hospitais e docente. "Sabiam que era judeu. Durante o nazismo andava com a Estrela de David na lapela, era garoto, queria ostentar. Portugal é um país tolerante, sempre me respeitaram, e eu sempre respeitei".


NA PRIMEIRA PESSOA: "RABINO ABRAHAM ASSOR, O MEU PAI" (Por Miriam Assor)

A vida do meu pai não circundava à volta da Comunidade Israelita de Lisboa. A vida do meu pai era a Comunidade. A nossa, da minha mãe e do meu irmão, moldou-se a essa ímpar, intensa e abnegada dedicação. E vida que não fosse assim não poderia ter sido tão feliz. A função de rabino, hoje em dia, tornou-se restrita, mas, para o meu pai, uma actividade rabínica exemplar não dispunha de limitações. Não houve sector comunitário onde a sua sabedoria não tivesse estado presente. Não existiu momento em que a sua palavra conhecedora e apaziguadora não tivesse tido peso.

A perdurável ligação começou nas vésperas da Páscoa de 1941, quando, por escolha do seu mestre de estudos judaicos, rabino Yehuda Azancot, deixou Tânger, a pátria de quem nunca se havia separado desde o nascimento, em 7 de Setembro de 1920. Um jovem cheio de pujança e ideais, que veio prestar serviço à congregação, acabaria por ficar meio século, recusando convites irresistíveis para ser líder espiritual além-fronteiras.

Não se arrependeu. A Comunidade Israelita de Lisboa não se reduzia a uma instituição e eternizava-se um amigo inseparável. Quando a morte chegou, em 15 de Outubro de 1993, não se admirou; o punho já tinha escrito um epitáfio com tal data, dois anos antes. 

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Domingo

Domingo

Soluções corta-fogos

Soluções corta-fogos

Começa a ser utilizada tecnologia para prevenir e combater incêndios em Portugal.

Domingo

As facturas da EDP

As facturas da EDP

Salários pagos aos gestores de topo são um dos motivos para os montantes elevados pagos pelos consumidores.

Domingo

As férias dos radicais

As férias dos radicais

Eis um roteiro de viagens e experiências para quem é apanhado pelo ‘bicho carpinteiro’ nas férias ou só consegue quebrar a rotina com emoções fortes.

pub