Sub-categorias

Notícia

Autoridades chinesas destroem igreja evangélica

Crescente popularidade das chamadas igrejas clandestinas tem levado as autoridades a adotar medidas repressivas.
Por Lusa|11.01.18
Autoridades chinesas destroem igreja evangélica
Foto Getty Images

As autoridades de uma cidade do norte da China demoliram uma igreja evangélica, disseram testemunhas e ativistas radicados no estrangeiro, citados pela agência noticiosa Associated Press (AP).

Um funcionário do gabinete para assuntos religiosos da cidade de Linfen, citado pela AP, afirmou que não se tratou de uma demolição, mas relatos de ativistas radicados fora do país e de testemunhas dão conta que forças militares usaram escavadoras e dinamite, na terça-feira, para destruir uma igreja em Linfen, um dos centros da indústria do carvão na China.

A ChinaAid, um grupo de defesa dos cristãos chineses com sede nos Estados Unidos, avançou que as autoridades locais colocaram explosivos numa sala de oração, na cave da igreja, para demolir o edifício. Fotografias divulgadas pela ChinaAid mostram o campanário e cruz derrubados, ilustrando a tensão entre grupos religiosos e o Partido Comunista Chinês (PCC), que é oficialmente ateu. .

Com uma congregação de 50.000 pessoas, a igreja há muito que vivia em atrito com o governo.

Já em 2009, centenas de polícias e capangas contratados confiscaram bíblias e destruíram parte da igreja, enquanto vários líderes religiosos locais foram punidos com prisão.

Estima-se que haja 60 milhões de cristãos na China, mas as manifestações religiosas no país são apenas permitidas no âmbito das igrejas aprovadas pelo PCC.

A crescente popularidade das chamadas igrejas clandestinas tem levado as autoridades a adotar medidas repressivas, face à preocupação que coloquem em causa o controlo político e social exercido pelo governo.

A igreja já tinha sido acusada de violar contratos de uso dos terrenos e os códigos de construção, acusações frequentemente usadas contra igrejas clandestinas.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!