Pena de prisão para mulher que acusou primeiro-ministro de ordenar assassínio

Suspeita vai ter de pagar ainda 206 euros. Caso aconteceu em Camboja.
Por Lusa|12.01.18
  • partilhe
  • 0
  • +

Uma mulher foi condenada a uma pena de um ano de prisão no Camboja após ter acusado o primeiro-ministro, Hun Sen, de ter ordenado o assassínio de um popular analista político, foi esta sexta-feira noticiado.

Hin Vansreypov publicou, em julho, um vídeo na rede social Facebook em que acusava o chefe de Governo de ter orquestrado a morte de Kem Ley, morto a tiro um ano antes numa estação de serviço no centro da capital.

O juiz considerou a mulher culpada pelo crime de incitação para cometer um delito ou alterar a paz social, aplicável apesar de a incitação não ter sido efetiva, escreveu o jornal Phnom Penh Post.

A mulher, que também foi condenada a pagar uma multa de um milhão de riéis (206 euros), admitiu ter publicado o vídeo, justificando o ato como uma resposta a críticas pessoais de que foi alvo por parte de simpatizantes do partido no governo, indicou o mesmo jornal.

Kem Ley, abertamente crítico do Governo de Hun Sen, tinha fundado um partido político que ia apresentar candidatos às eleições municipais do ano passado.

Contudo, o ativista foi assassinado por um soldado na reserva, que atribuiu o crime a uma disputa relacionada com uma dívida de três mil dólares (cerca de 2.500 euros), o que a família da vítima negou. O soldado foi condenado a prisão perpétua.

Os assassínios por motivos políticos eram relativamente comuns no Camboja durante os anos de 1990, mas a violência foi reduzindo gradualmente, sendo que o último caso conhecido remontava a 2012.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!