Sub-categorias

Notícia

Trump vai reconhecer Jerusalém como capital de Israel

Presidente anuncia também a transferência da embaixada, atualmente em Telavive.
Por Lusa|06.12.17

O Presidente dos Estados Unidos vai reconhecer esta quarta-feira Jerusalém como capital de Israel, para onde vai transferir a embaixada, atualmente em Telavive, disseram responsáveis da administração norte-americana, citados pelas agências noticiosas internacionais.

A Casa Branca tinha indicado que Donald Trump vai anunciar hoje, num discurso marcado para as 13h00 (18h00 em Lisboa), a decisão de considerar Jerusalém como a capital de Israel e de transferir a embaixada norte americana, atualmente localizada em Telavive.

"O Presidente Trump vai reconhecer Jerusalém como a capital de Israel", indicou um responsável da administração norte-americana, que pediu o anonimato, e avançar para o "reconhecimento de uma realidade" tanto histórica - Jerusalém figura como capital do Estado judeu desde a Antiguidade - como contemporânea - porque tem sido a sede do Governo israelita desde a fundação moderna daquele Estado em 1948 -, em vez de uma declaração política.

ONU defende negociação

O enviado especial da ONU para o Médio Oriente, Nickolay Mladenov, disse esta quarta-feira que o futuro estatuto de Jerusalém deve ser assunto de negociações referindo-se à vontade dos Estados Unidos em reconhecer a cidade como capital israelita.

"O futuro de Jerusalém é um assunto que deve ser negociado entre israelitas e palestinianos em negociações diretas", disse Mladenov aos jornalistas.


Turquia apela a mudança de decisão

O primeiro-ministro turco, Binali Yldirim, de visita a Seul, instou esta quarta-feira o presidente dos Estados Unidos a reconsiderar a decisão de reconhecer Jerusalém como capital de Israel mudando a embaixada norte-americana para a cidade.

"Na minha opinião, a decisão de mudar a embaixada dos Estados Unidos a Jerusalém pode agravar os conflitos entre Israel e a Palestina e entre as religiões", disse Yildrim durante uma conferência de imprensa em que estava presente o chefe do Executivo da Coreia do Sul, Lee Nak-yon.

"Creio que este é um assunto que deveria ser reconsiderado", acrescentou o primeiro-ministro turco.

Preocupação no Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, em Bruxelas, também reagu ao anúnico americano: "Vemos com preocupação a informação que ouvimos", disse Johnson, à chegada a uma reunião da NATO.

"Acreditamos que Jerusalém deveria, é claro, fazer parte de uma solução final (para o conflito) entre israelitas e palestiniano, uma solução negociada", insistiu.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Mundo

pub