Sub-categorias

Notícia

Vivem com cadáver do avô há 10 anos

Dão-lhe comida, banho, cigarros e fingem que o familiar ainda está vivo.
Por Marina Pinto e Daniela Vilar Santos|17.05.17

Uma família indonésia convive diariamente com o cadáver do avô, falecido há 10 anos, dentro da própria casa. A história é contada por um jornalista que esteve no local, citado pela cadeia Blasting News, que revela os detalhes do dia-a-dia deste clã.

Segundo o repórter, o corpo encontra-se dentro de um caixão num pequeno quarto. Refere que o cadáver é áspero, cinzento e que tem furos semelhantes aos de picadas de inseto. Os familiares encaram a situação com naturalidade e, uma vez questionados acerca do estado do homem, a filha terá respondido que o idoso apenas se encontrava doente.

A Blasting News relata que os netos brincavam perto do morto e que perguntavam à mãe por que motivo o avô estava sempre a dormir. A mãe fazia sinal para que se calassem, como se não quisesse acordar o idoso. Paulo Cirinda, como era chamado, terá falecido há mais de 10 anos, mas a família trata-o como se ainda estivesse vivo.

Casos como este são relativamente comuns na região de Tana Toraja, numa das ilhas da Indonésia, e fazem parte de tradições antigas.

Os habitantes locais acreditam que devem cuidar bem dos parentes mortos, para que o espírito não assombre a família. Fazem todos os possíveis manter os defuntos confortáveis, tratando-os como se apenas estivessem doentes. Servem-lhes comida, bebida, cigarros, dão-lhes banho e até trocam os cadáveres de roupa. Os corpos não ficam sozinhos e, quando anoitece, a luz da divisão em se encontram é mantida acesa.

O funeral só é feito bastante tempo depois, quando os parentes estão emocional e financeiramente preparados para a enfrentar a morte do ente querido.

Durante a cerimónia, é mencionado que as famílias sacrificam búfalos dado que, entre os habitantes de Tana Toraja, existe a crença de que os familiares mortos estão a partir naquele momento e que os animais estão a ajudar a levar as almas embora. As pessoas da região não costumam viver com grandes luxos, já que preferem poupar dinheiro para usar nos funerais.

pub

pub

Mais notícias

Mais notícias de Mundo

pub