Eis o medo

Baptista-Bastos

Eis o medo

As tradicionais alianças e compromissos sociais desfazem-se com rapidez.
  • 0
  • 19
Por Baptista-Bastos|18.01.17
  • partilhe
  • 19
  • 0
Nada de bom se prevê sob a governação de Donald Trump, que começa, oficialmente, depois de amanhã. Os mais qualificados comentadores americanos, e não só, adivinham sobressaltos, e algumas das declarações do nomeado presidente são de modo a inquietar as pessoas de bem. Mas a elevação de Trump junta-se às inquietações que nos dominam e preocupam.

O Daesh e as guerras nascidas daquela organização, os êxodos provocados pelas necessidades de fuga e de medo, os balanços sistemáticos em quase todo o mundo capitalista, o desacerto entre o imperioso e o provisório transformaram o nosso tempo numa espécie de crisol do inferno, em que se não vê o mais ténue sinal de esperança.

A Europa está a desfazer-se, e as tradicionais alianças e compromissos sociais desfazem-se com rapidez inaudita. A própria ideia de União Europeia (UE) não faz sentido, a atentar em que o proveito maior dessa aliança torcida e medíocre vai para a Alemanha. Por sua vez, Angela Merkel sofre contestações dos países que a têm apoiado e sustentado e a pressão quase insuportável da extrema-direita.

A França decaiu com a insuportável e abstrusa sobranceria do medíocre François Hollande, que já revelou não se recandidatar. A Itália, a Espanha e a Holanda decaem pelo silêncio ou pela ascensão de dirigentes menores. Com a subida ao poder de Trump, e a dar fé às suas declarações, não parece que, nos próximos tempos, o mundo poderá respirar sem medo.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)