Turbulência de Estado

Eduardo Cabrita

Turbulência de Estado

A greve dos pilotos insere-se na linha de agitação de um setor em ebulição.
  • 0
  • 0
Por Eduardo Cabrita|02.05.15
  • partilhe
  • 0
  • 0

O setor do transporte aéreo tem sido dos mais afetados nos últimos anos por vagas violentas que alteraram radicalmente as regras do jogo e os parceiros sobreviventes numa guerra total. Da emergência das companhias low-cost ao aparecimento de novas companhias globais que mudaram radicalmente os hubs do longo curso, tudo levou a que velhos monstros como a TWA, a PAN AM, a VARIG ou a SWISSAIR sucumbissem e que improváveis fusões emergissem dos dois lados do Atlântico.

Ainda esta semana, as três maiores companhias americanas questionavam os apoios de Estado às novas vedetas do longo curso baseadas no Golfo Pérsico e na Turquia no ano em que simbolicamente Dubai superou Heathrow como maior aeroporto de trânsito internacional.

No meio de tudo isto um Governo centrado na obsessão orçamental, fundamentalista na cartilha liberal e com ódio a tudo o que pareça intervenção do Estado é um agente perigoso para a TAP e para Portugal no meio da tempestade.

Num negócio em que a Boeing, a AIRBUS ou a Emirates são questões de Estado prioritárias na ação dos Governos, uma linha pautada pela adoração bacoca, pela clarividência dos mercados e pelas receitas das privatizações tem riscos insanáveis para a capacidade estratégica de Portugal ter uma palavra nos mercados globais.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)