Por Fernando Calado Rodrigues|02.09.16
  • partilhe
  • 0
  • 0
O Papa Francisco recebeu Mark Zuckerberg, o fundador e CEO da rede social Facebook. Conversaram sobre "como usar as tecnologias de comunicação para aliviar a pobreza, promover uma cultura do encontro e fazer com que uma mensagem de esperança possa chegar especialmente às pessoas mais necessitadas", refere um comunicado do porta-voz da Santa Sé.

O Papa já assumiu que não sabe utilizar o computador e que o seu aparelho preferido é a rádio, porque só tem dois botões, um para sintonizar e outro para o volume. Mesmo assim, avalia como positivas as redes sociais e a Internet para a vivência da fé.

O que não o impede de as considerar envoltas em muitos perigos e riscos, em sintonia, aliás, com a reflexão que a Igreja tem produzido sobre esta temática desde 2002, o ano em que foram publicados os primeiros documentos dedicados especificamente à relação entre a Igreja e a Internet e à "ética na rede".

Na mensagem para o dia mundial das comunicações de 2014, o Papa reconhecia que a "Internet pode oferecer maiores possibilidades de encontro e de solidariedade entre todos; e isto é uma coisa boa, é um dom de Deus". E já na mensagem deste ano lembrou que "as redes sociais são capazes de favorecer as relações e de promover o bem da sociedade, mas podem também levar a uma maior polarização e divisão entre as pessoas e os grupos".

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)