Sub-categorias

Notícia

Blog

Francisco José Viegas

Blog

A ‘arte contemporânea’ é um instrumento interessante para lavagem de dinheiro.
  • 0
  • 15
Por Francisco José Viegas|13.06.17
  • partilhe
  • 15
  • 0
A ‘arte contemporânea’ é um instrumento interessante para lavagem de dinheiro. Oligarcas russos, potentados privados do Oriente, multimilionários e estados do Golfo, burgueses enriquecidos pela construção civil ou ‘antigos jovens’ protegidos por alguns negócios bem remunerados – os poderosos investem generosamente em ‘arte contemporânea’ e transformam-se em ‘patronos da cultura’, o que é hoje melhor do que ter o Euromilhões.

Todos ganham: ‘marchands’ que conhecem bem demais as fraudes do seu ofício, pacóvios que apreciam ‘arte decorativa’ para a sala de estar, artistas que têm de fazer pela vida, ‘curadores’ que teorizam sobre a herança de Duchamp e a esperteza de Damien Hirst, colecionadores fantasiados de misantropos.

Em matéria de ‘arte contemporânea’, por isso, a cultura lava muito mais branco. O sistema de retribuições da ‘arte contemporânea’ baseia-se no receio de parecer iletrado diante de tão notáveis obras, como uma barragem da EDP pintada de amarelo.

Quem se atreve a rir do assunto? No fundo, a ‘arte contemporânea’ ainda é mais barata do que as faturas da eletricidade.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)