Sub-categorias

Notícia

Por Francisco José Viegas|11.07.17
  • partilhe
  • 1
  • 0
Henry David Thoreau, do qual amanhã se comemora o bicentenário do nascimento (a 12 de julho de 1817 em Concord, a mesma cidade onde nasceu Ralph Waldo Emerson e onde viveram Nathaniel Hawthorne e Louisa May-Walcott, no Massachusetts) é o mais atual e incompreendido dos filósofos.

Devíamos lê-lo mais, mas ficaríamos desprotegidos; Thoreau é o autor de ‘A Desobediência Civil’, uma defesa contra o Estado, o seu poder e as suas injustiças ("O melhor governo é o que não governa."), um inimigo da cobrança excessiva de impostos - mas é em ‘Walden ou a Vida nos Bosques’, crítica pioneira ao capitalismo e à "ideologia do crescimento infinito", e em ‘A Vida sem Princípios’, que o individualismo de Thoreau ganha uma dimensão ao mesmo tempo poética e crítica da democracia de massas.

Para os dias de hoje, há um livro de Thoreau a recomendar vivamente, ‘Caminhada’, onde propõe uma arte de caminhar e de deambular que nos ligue à natureza (tema de ‘Maçãs Silvestres’) e à intimidade, ao essencial e ao profundo.

Os seus livros (publicados na Antígona) são uma bênção de beleza.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)