Sub-categorias

Notícia

Por João Pereira Coutinho|17.03.17
Na Holanda, a extrema-direita perdeu. Mas perdeu para quem? Para o liberal Mark Rutte, claro, que conseguiu a vitória depois de ter feito voz grossa contra a Turquia. Por outras palavras: Rutte não venceu o populismo; ele aproveitou-se do populismo para mostrar aos holandeses que a célebre ‘tolerância’ tem limites.

Pessoalmente, nada contra: como alguém dizia, o populismo é aquele convidado bêbado que aparece para jantar. Ele é rude, inconveniente e até faz olhinhos à mulher do anfitrião. Mas, lá pelo meio, vai dizendo duas ou três verdades que o álcool sempre traz à tona.

Se Mark Rutte e o próximo governo souberem interpretar as preocupações reais dos holandeses embriagados – a segurança, a política de imigração, os excessos do multiculturalismo –, a besta populista será domada. Se varrerem o lixo para debaixo do tapete, a derrota e o ostracismo de Wilders serão apenas temporários.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)