Sub-categorias

Notícia

Por João Pereira Coutinho|10.02.17
  • partilhe
  • 0
  • 0
Está na hora de defender o ministro das Finanças: é óbvio que Mário Centeno não mentiu quando negou qualquer compromisso com António Domingues. O compromisso, afinal, foi com os advogados de Domingues, que até tiveram a fineza de soprar o decreto- -lei para a nova administração da Caixa.

Confrontados com esta revelação, mentes perversas dirão que o país bateu no fundo e que Centeno devia fazer as malas sem demoras. Não vou tão longe. Se a competência legislativa já não se limita ao parlamento (e, em certas matérias, ao governo), então talvez não fosse inútil realizar eleições regulares para que os portugueses pudessem escolher os escritórios de advogados que participam na governança.

Claro que, para as mentes perversas, isso seria um insulto à Constituição. Calma, povo: estou certo que é possível encontrar um escritório de advogados que possa reescrever a lei fundamental para nós.

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)