Sub-categorias

Notícia

Acordar mal

Luciano Amaral

Acordar mal

O problema principal do acordo ortográfico é ser um objecto desnecessário.
  • 3
  • 0
Por Luciano Amaral|09.05.16
  • partilhe
  • 0
  • 3
É curioso que a posição política mais válida do novo Presidente da República tenha sido até agora aquela em que largou o mantra do consenso: sobre o acordo ortográfico, o Presidente, mesmo não tendo sido muito afirmativo, reabriu a questão, quando afirmou que o facto de Angola e Moçambique não o terem ratificado abria uma oportunidade para "repensar a matéria".

Já se disse quase tudo sobre "a matéria", mas vale a pena regressar a alguns pontos. O problema principal do acordo é o de ser um objecto desnecessário. Antes dele, a escrita do português nos vários países que o têm como língua era praticamente igual, excepto por algumas diferenças de que nunca ninguém se queixou e eram tidas por exemplos engraçados de cor local. Depois dele, a escrita aproximou-se entre os países mas só marginalmente: antes, a semelhança de palavras entre Portugal e o Brasil era de 96%; depois, passou a ser de 98%.

E este é um segundo problema do acordo: é que, de facto, não unifica e, mais, confunde. As diferenças eram mínimas e mínimas continuam, mas abriu-se a porta a um sem-número de confusões (duplas grafias, palavras que eram iguais nos vários países e agora são diferentes ou verdadeiros absurdos vocabulares). A grande diferença entre os países não está na escrita mas no vocabulário, isto é, nas palavras que se escrevem da mesma maneira mas significam coisas diferentes.
Onde chegamos a um terceiro ponto. Com este acordo, Portugal continua na senda inaugurada em 1911 de substituir a escrita "etimológica" pela "fonética" (peço desculpa pelo jargão). O efeito é afastar ainda mais o português das grande línguas europeias (nas quais se continua a escrever "pharmacy" ou "photographie"). A língua mais poderosa do mundo, o inglês, assenta no princípio contrário e o seu único acordo é simples: cada país escreve como quer. Devia ser esse o nosso acordo também.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De  Anónimo 16.05.16
    "O problema principal do acordo ortográfico é ser um objecto desnecessário. "<br/>Sim, é completamente desnecessário (os brasileiros continuam a fazer edições "abrasileiradas" da maior parte dos textos e livros escritos em Portugal, excepto quando os autores o não permitem). Mas é também contraproducente, quer pelas razões apontadas (afastamento da etimologia e das outras línguas europeias), quer por interferir na pronúncia, ao contrário do que pretendem os defensores do AO e em confusões várias.
2 Comentários
  • De  Anónimo 16.05.16
    Há ainda o aumento de palavras com tendência a tornarem-se homófonas - e quantas mais houver, maior é a confusão tanto de significado como de grafia - como no caso de corretor, conceção, para, etc. (ee /aa abertos ou fechados e com que significado?) e várias outras confusões como "interceção" (é de interceptar ou de interseccionar?), "ótico" (refere-se aos ouvidos, segundo o étimo da palavra, ou aos olhos?). Essas e outras confusões estão à vista por todo o lado.
    E ainda: É legal este AO???
    Responder
     
     2
    !
  • De  Anónimo 16.05.16
    "O problema principal do acordo ortográfico é ser um objecto desnecessário. "
    Sim, é completamente desnecessário (os brasileiros continuam a fazer edições "abrasileiradas" da maior parte dos textos e livros escritos em Portugal, excepto quando os autores o não permitem). Mas é também contraproducente, quer pelas razões apontadas (afastamento da etimologia e das outras línguas europeias), quer por interferir na pronúncia, ao contrário do que pretendem os defensores do AO e em confusões várias.
    Responder
     
     2
    !

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)