Comunicar em justiça

Mónica Sabrosa

Comunicar em justiça

A informação em linguagem "normalizada" é nuclear.
  • 0
  • 0
Por Mónica Sabrosa|19.03.16
  • partilhe
  • 0
  • 0
Torna-se cada vez mais evidente o problema de comunicação entre tribunais e cidadãos. Um dos últimos exemplos foi a leitura da medida de coação a aplicar à "mãe de Caxias", que não esclareceu as pessoas.

O segredo de justiça não explica tudo. É a linguagem técnico-jurídica na comunicação, que as pessoas desconhecem nem têm que conhecer, que inviabiliza a intenção e vontade em comunicar. Não caberá a juízes e procuradores virem a público informar, esclarecendo as questões mais pertinentes relacionadas com casos mediatizados, quanto mais não seja por um certo dever de discrição que lhes é exigível.

A informação concreta e em linguagem "normalizada" é nuclear para obviar à especulação mediática, o que, a não ser assim, se tem mostrado prejudicial ao cidadão e à Justiça. Impõe-se instalar um gabinete de assessoria de comunicação no Conselho Superior da Magistratura com profissionais, vocacionado para fazer a ponte entre a Justiça e o cidadão nos casos de interesse público, não deixando a um amadorismo, por vezes confrangedor, essa importante tarefa.

O cidadão seria esclarecido de forma simples e eficaz, salvaguardando o segredo de justiça, e tendo em vista a aproximação entre a população e a Justiça.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)