Sub-categorias

Notícia

O barato sai caro

O barato sai caro

Tenho repetido que a desqualificação da Administração Pública é um mal já antigo que se vai pagar muito caro. Em concreto, a desqualificação progressiva de áreas fundamentais do Ministério das Finanças irá ter graves consequências em breve. Refiro-me, nomeadamente, à crescente inoperância da Direcção-Geral do Orçamento e à falta de pensamento estratégico ao mais alto nível desse Ministério e do Governo.
  • 0
  • 0
24.12.10
  • partilhe
  • 0
  • 0
O barato sai caro

No primeiro caso, basta olhar para a saída de quadros de referência e o universo em contracção permanente que as Finanças consegue hoje efectivamente controlar. E o que fazem os responsáveis: concentram-se em ‘melhorar’ os instrumentos legislativos. Já quanto a gerir activamente o Ministério e a valorizar as suas antigas competências, actualizando-as: nada.

No que respeita à existência de pensamento estratégico no Ministério ou mesmo ao mais alto nível do Governo: outro zero. Há 20 anos, Cavaco Silva tinha um excelente Gabinete de Análise Económica nas Finanças, o Departamento de Prospectiva do Ministério do Planeamento era utilizado e o Governo recorria ao Banco de Portugal, que mantém o estatuto de consultor do Governo (pleno de capacidade e competência). Hoje parece que tudo depende da cabeça de um ministro esgotado e de um amigo faz-tudo que o acompanha. Parece mais barato, mas vai-nos sair muito caro…

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)